O SNA convoca todos os tripulantes da Gol para assembleia que será realizada na próxima terça-feira, dia 27 de fevereiro, às 13h30, para deliberar sobre a negociação de Acordo Coletivo de Trabalho para pagamento do tempo de solo entre etapas de uma mesma jornada e simulador. Veja o edital completo com os endereços: https://goo.gl/1sQtwJ.

Também poderão ser debatidos temas que estão na pauta de negociação com as empresas como licença não-remunerada, operação de "part time" e possíveis benefícios ofertados a fim de incentivar a aposentadoria, entre outros.

O pagamento de tempo em solo está previsto na Nova Lei do Aeronauta, mas a entrada deste item em vigor foi postergada para 1º de março pela atual CCT da aviação regular. A remuneração de simulador está contida no aditivo à CCT condicionado à nova lei e também entra em vigor em 1º de março.

Lembramos que qualquer proposta da empresa deve necessariamente passar por deliberação dos aeronautas em assembleia para aprovação ou rejeição.

O SNA reforça a importância da participação do grupo para deliberar acerca do assunto na terça-feira, oportunidade em que serão feitos todos os esclarecimentos necessários. 

Venha conhecer mais de perto o trabalho do SNA. Participem conosco desta história.

Em audiência realizada nesta terça-feira (20) no TST (Tribunal Superior do Trabalho) e atendendo ao pedido do ministro Vieira de Melo Filho, o Sindicato Nacional dos Aeronautas manifestou estar disposto a iniciar negociação de conciliação com a Gol Linhas Aéreas em relação à ação que busca a reintegração de todos os aeronautas demitidos naquele período. 

Na ocasião, houve comprovada redução de força de trabalho sem observação do que prevê a Convenção Coletiva de Trabalho.

A ação foi julgada procedente, sendo em seguida interposto recurso pela empresa para tentar reformar a decisão. 

Ficou acordado na audiência que o sindicato irá apresentar uma lista com os aeronautas representados na ação e a Gol, por sua vez, terá 60 dias para especificar o enquadramento ou não dos aeronautas na previsão da clausula de redução de força de trabalho da CCT.

Então, caberá ao sindicato, em 15 dias, manifestar-se sobre as referidas listas. Superado esses prazos, será marcada pelo TST uma nova audiência para a continuação da negociação.

Fiquem atentos aos meios de comunicação do SNA para o desenrolar do caso.

O departamento jurídico do SNA fica à disposição para eventuais esclarecimentos pelo telefone (11) 5531-0318 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Veja a ata de audiência: http://www.aeronautas.org.br/images/_sna/_noticias/Ata_Audiencia_TST_20-02-18.pdf

Após realizar na quarta-feira a quarta reunião com a Gol, o Sindicato Nacional dos Aeronautas promoveu nesta quinta (15) uma assembleia para prestar esclarecimentos aos tripulantes a respeito da negociação sobre pagamento do tempo de solo entre etapas de uma mesma jornada, sobre remuneração de simulador e sobre readequação salarial dos copilotos da empresa.
 
Sob o formato de explicação aos aeronautas, foram debatido temas que estão na pauta de negociação com as empresas como licença não-remunerada, operação de "part time" e possíveis benefícios ofertados a fim de incentivar a aposentadoria, entre outros.

A empresa se comprometeu a apresentar ao SNA uma proposta concreta até a sexta-feira da próxima semana (23). Desta forma, é de extrema importância que o grupo fique atento à convocação em breve de uma nova assembleia para possivelmente deliberar sobre aceitação ou não do que será proposto e sobre possíveis desdobramentos da questão.

O pagamento de tempo em solo está previsto na Nova Lei do Aeronauta, mas a entrada deste item em vigor foi postergada para 1º de março pela atual CCT da aviação regular. A remuneração de simulador está contida no aditivo à CCT condicionado à nova lei e também entra em vigor em 1º de março.

Novas reuniões com a Gol estão agendadas inicialmente para os dias 21 e 28 de fevereiro. No entanto este cronograma pode ser alterado caso de fato a companhia apresente uma proposta até o fim da semana que vem.

Lembramos que qualquer proposta da empresa deve necessariamente passar por deliberação dos aeronautas em assembleia para aprovação ou rejeição.

Fiquem atentos aos nossos meios de comunicação para o desenrolar das discussões e para a publicação de edital de convocação para a próxima assembleia.

Venha conhecer mais de perto o trabalho do SNA. Participem conosco desta história. 

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

O Presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo disposto no art. 22, “a” do estatuto da entidade sindical e observados os demais requisitos estatutários e legais, em especial o previsto no art. 20, “b”, do estatuto sindical supracitado, convoca os aeronautas da Empresa GOL LINHAS AÉREAS S.A., para Assembleia Geral Extraordinária que será realizada no dia 15 de fevereiro de 2018, às 13:30 horas em primeira convocação, e às 14:00 horas em segunda e última convocação no seguinte local: Hotel Slaviero Congonhas, localizado na  R. Baronesa de Bela Vista, 499 - Vila Congonhas, São Paulo - SP, 04612-002, para a seguinte ordem do dia: A. Esclarecimentos da remuneração das horas em simulador e do pagamento do tempo em solo; B. Esclarecimentos sobre a remuneração dos Copilotos. 

Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2018

Rodrigo Spader
Presidente

O Sindicato Nacional dos Aeronautas fez nesta quarta-feira (31) a terceira reunião com a Gol Linhas Aéreas para discutir sobre pagamento do tempo de solo entre etapas de uma mesma jornada e sobre remuneração de simulador. A questão do plano de carreira para as três funções (comandantes, copilotos e comissários) também foi abordada.

O pagamento de tempo em solo está previsto na Nova Lei do Aeronauta, mas a entrada deste item em vigor foi postergada para 1º de março na atual CCT da aviação regular.

A remuneração de simulador está contida no aditivo à CCT condicionado à nova lei e também entra em vigor em 1º de março.

Na reunião, o SNA pediu novas informações sobre os temas, que deverão ser debatidas nas próximas reuniões. O próximo encontro está marcado para o dia 14 de fevereiro.

Uma proposta deverá ser oficialmente apresentada e levada pelo SNA para a apreciação dos aeronautas em uma assembleia antes de 1º de março.

Fiquem atentos aos nossos meios de comunicação para o desenrolar das discussões sobre o tema e a publicação de edital de convocação para assembleia.

Venha conhecer mais de perto o trabalho do SNA. Participem conosco desta história.

Em reunião realizada nesta quinta-feira (18), a diretoria da Gol mostrou disposição para promover a construção, juntamente com o SNA e os tripulantes, de um plano de carreira que abarcaria as três funções (comandantes, copilotos e comissários).

Além disso, também foram tratados temas como uma eventual reestruturação da política de remuneração, a possibilidade de agilizar as promoções dos copilotos e outras possíveis melhorias para todo o grupo.

A negociação está sendo feito juntamente com a discussão sobre pagamento do tempo de solo entre etapas de uma mesma jornada e da remuneração de simulador, previstos na Nova Lei do Aeronauta mas que foram postergados pela CCT e entram em vigor no dia 1º de março de 2018.

Uma nova reunião entre o SNA e a companhia ficou agendada para o dia 31 de janeiro.

A intenção é que uma proposta possa ser oficialmente apresentada e levada pelo SNA para a apreciação dos aeronautas em uma assembleia antes de 1º de março, já que nesta data, conforme prevê a CCT, entram em vigor os itens da nova lei que tratam do tempo de solo entre etapas e da remuneração de simulador.

Ressaltamos, por fim, que apesar de a empresa mostrar disposição para negociação, a companhia deixou claro que por se tratarem de mudanças de  longo prazo com custos, é necessário fazer estudos e obter aprovação de seu conselho.

Fiquem atentos aos nossos meios de comunicação para o desenrolar das discussões sobre o tema.

O Sindicato Nacional dos Aeronautas esteve reunido na quarta-feira (27) com a diretoria da Gol Linhas Aéreas para tratar de temas como a remuneração dos copilotos, plano de carreira e diversas outras questões de interesse dos tripulantes.

Sobre a questão do realinhamento da política de remuneração dos copilotos, a empresa se comprometeu a apresentar possibilidades e alternativas para a questão em reunião agendada para o dia 17 de janeiro.

A reivindicação de adequação dos salários partiu do próprio grupo de copilotos da empresa, que pede para receber pelo menos 70% dos vencimentos recebidos pelos comandantes. Hoje, a média na empresa é a proporção de 50%, abaixo do que se pratica mundialmente — também são pedidas alternativas para a falta de perspectivas de promoção.

A construção de um plano de carreira, que abarcaria as três funções (comandantes, copilotos e comissários), está sendo estudada pela empresa em conjunto com o SNA. Dentro deste plano, existe inclusive a possibilidade do chamado "part time", em que o tripulante pode escolher, dentro de regras pré-estabelecidas, trabalhar em períodos parciais. Por ora, essa questão está sendo estudada para o grupo de comandantes.

Outro tema discutido foi o pagamento do tempo de solo entre etapas de uma mesma jornada e da remuneração de simulador, previstos na Nova Lei do Aeronauta mas que foram postergados pela CCT e entram em vigor no dia 1º de março de 2018. A empresa se comprometeu a na próxima reunião trazer propostas para discussão.

Entre outros temas tratados também estavam: diferença de remuneração em diferentes bases; ajustes na política de reembolso do CMA e melhoras no Passe Livre para companhias congêneres.

Fiquem atentos aos nossos meios de comunicação para o desenrolar das discussões sobre cada tema.

Em assembleia realizada nesta terça-feira (19), em São Paulo, aeronautas da Gol Linhas Aéreas aprovaram a proposta apresentada pela empresa para o acordo de pagamento de PPR (Participação nos Resultados) relativo ao ano de 2017.

O valor a ser pago será definido proporcionalmente de acordo com o EBIT (lucro operacional da companhia), ainda a ser divulgado, e pode variar de 0% a 100% de um salário ― utilizando-se como referência a média apurada para cálculo do 13º salário.

Também entram no cálculo percentuais relativos ao atingimento de metas pelos aeronautas. 

CLIQUE AQUI PARA VER DETALHES SOBRE O ACORDO 

Para o PPR relativo ao ano de 2018, o SNA tem uma primeira reunião já agendada com a Gol para fevereiro.

O departamento jurídico do SNA fica à disposição para o esclarecimento de eventuais dúvidas por meio do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

O Sindicato Nacional dos Aeronautas e a Asagol farão reunião na próxima quarta-feira (22) com a diretoria da Gol Linhas Aéreas para tratar de temas como a remuneração dos copilotos, plano de carreira e outras questões de interesse dos tripulantes.

A reivindicação de adequação dos salários partiu do grupo de copilotos da empresa, que reivindica receber pelo menos 70% dos vencimentos recebidos pelos comandantes.

Após uma reunião em que mais de 120 copilotos da Gol decidiram pedir o realinhamento da remuneração, um abaixo-assinado sobre o tema atingiu cerca de 570 subscrições em favor do pleito.

Esta será a segunda reunião com a diretoria da companhia para tratar do assunto. Anteriormente, a Gol disse ter compreendido a demanda e se comprometeu a estudar possibilidades, ainda que tenha ressaltado que tem dificuldades para mexer no custo fixo em um momento de recuperação. 

A solicitação decorre da distorção comparativa da remuneração dos comandantes e copilotos, equivalente hoje na empresa à proporção de cerca de 50%. Na média mundial, a diferença de valores dos salários fixo + variável entre copilotos e comandantes está em torno de 70% do valor total de ganhos.

A Gol possui um grupo de copilotos maduro, com tempo de casa e experiência para ocupar o posto de comando com o profissionalismo que a empresa espera. Entretanto, não há expectativa a curto prazo e nem um plano de carreira que minimize a espera pela oportunidade de mudança na função.

Fiquem atentos aos nossos meios de comunicação para acompanhar as novidades sobre o tema.

Em assembleia realizada nesta segunda-feira (30), a categoria dos aeronautas negou a contraproposta apresentada pelas empresas para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho da Aviação Regular e elaborou uma nova proposta, que será levada à mesa de negociação pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas na próxima quarta (1).

Na assembleia, também foi aprovado o termo acertado pelo SNA com as empresas que garante a manutenção das cláusulas da atual CCT por 90 dias após a data-base, 1º de dezembro, assim como a manutenção das condições atuais para o pagamento do DSR também durante estes 90 dias, no caso de as negociações se estenderem para depois de 1º de dezembro.

A assinatura deste termo é de suma importância para a negociação.

A contraproposta das empresas que foi negada nesta segunda-feira recusava diversas das reivindicações da pauta original dos aeronautas e oferecia, basicamente: INPC para cláusulas econômicas; 5% no piso das diárias internacionais; período oposto de seis dias com fim das restrições das monofolgas; franquia de bagagens, publicação das escalas com 5 dias de antecedência em todos os meses, passe livre com 7 assentos, e a manutenção das demais cláusulas.

Além disso, as empresas pediam a postergação da entrada em vigor de alguns itens da Nova Lei do Aeronauta, passando de 27 de novembro de 2017 para 1º de março de 2018 (folga, monofolga, base contratual, publicação de escala e mudança de pagamento de km para hora) e também a inclusão de cláusulas que versam sobre a concessão de passagens, menor aprendiz e pessoas com deficiência.

Alguns pontos passariam, devido à complexidade e às diferenças entre as empresas, para negociação por companhia:

- Pagamento do período de tempo de solo entre etapas;
- Pagamento de treinamento em simulador;
- Discussão das folgas para tripulantes de ATR.

A contraproposta formulada e aprovada pelos aeronautas nesta segunda-feira adapta as reivindicações e determina uma base mínima aceitável pela categoria para atender ao que pedem as empresas.

Nas cláusulas econômicas, o pleito continua a ser de 5% de aumento em salários, pisos, diárias de alimentação nacionais, vale alimentação e seguro de vida. Para as diárias internacionais, a solicitação é de um valor fixo de 25,00 (seja dólar, euro ou libras).

Entre as cláusulas sociais, as principais reivindicações são, dentre outras:

- Fim do limite de assentos para o Passe Livre;
- Passe Livre nos ônibus das empresas para deslocamento entre aeroportos;
- Período oposto de 8 dias;
- Homologação de termo de rescisão nas representações do SNA;
- 11 folgas mensais para tripulantes que voam widebody;
- Descanso dos comissários na classe executiva;
- Validação, por meio de ACT, das jornadas autorizadas pelo SGRF (Sistema de Gerenciamento do Risco da Fadiga);
- Limite de jornada em voos de tripulação composta.

Cabe lembrar que toda decisão é sempre tomada pelos tripulantes, em assembleia, e que a participação de todos é de extrema importância para o sucesso nas negociações.

O SNA agrade a presença de todos nas assembleias desta segunda e convoca a categoria acompanhar e participar de todo o processo.

Fiquem atentos aos nossos meios de comunicação e participem das deliberações.

O SNA pede a todos os tripulantes que são beneficiários do acordo realizado no processo movido contra a Gol/VRG pelo reembolso do CCF (Certificado de Capacidade Física), e que ainda não buscaram seus valores, que entrem em contato conosco.

Têm direito todos os tripulantes que fizeram renovação do CCF no período de 2008 a 2010 (com contrato de trabalho ativo até 27 de outubro de 2015). 

Caso você esteja nestas condições e ainda não tenha recebido, entre em contato com o SNA pelo e-mail juríEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou pelo telefone 11 5531-0318 ramal 101.

Obs.: Os pagamentos do acordo do CCF com a Gol tiveram início em janeiro de 2017.

O abaixo-assinado dos copilotos da Gol já atingiu cerca de 570 subscrições, em um grupo total de 750 copilotos, e será entregue à direção da companhia pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas e pela Asagol na próxima reunião entre as partes, em novembro. 

A reivindicação, que partiu dos próprios tripulantes, é de que os copilotos recebam salário equivalente a pelo menos 70% dos vencimentos recebido pelos comandantes.

Se você é copiloto da Gol e concorda com a reivindicação, por favor, subscreva o abaixo-assinado no link a seguir:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSchdda-Tg4qglZvJ25c6WbIDTEagNZP0RKgTxqsZw6JA98vGg/viewform

Em uma primeira reunião, realizada no dia 5 de outubro, a empresa disse ter compreendido a demanda e se comprometeu a estudar possibilidades, ainda que tenha ressaltado que tem dificuldades para mexer em seu custo fixo em um momento de recuperação. 

Entenda

A solicitação decorre da distorção comparativa da remuneração dos comandantes e copilotos, equivalente hoje na empresa à proporção de cerca de 50%.

Na média mundial, a diferença de valores dos salários fixo + variável entre copilotos e comandantes está em torno de 70% do valor total de ganhos.

A Gol possui um grupo de copilotos maduro, com tempo de casa e experiência para ocupar o posto de comando com o profissionalismo que a empresa espera. 

Entretanto, não há expectativa de promoções em curto prazo e nem um plano de carreira que minimize a espera pela oportunidade de mudança na função, motivo pelo qual o equilíbrio salarial entre é indispensável.

Fiquem atentos aos nossos meios de comunicação para acompanhar as novidades sobre o tema.