AeroClippi?ng, quarta-fei?ra, 23/07/14 - ano XII - nº 217

Fonte
  • Menor Pequena Medium Grande Maior
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

Folha de São Paulo

Serviços auxiliares do transporte aéreo movimentam R$ 3,12 bilhões

Azul vai estrear o Airbus A330 em rotas domésticas

O Estado de S.Paulo

Malaysia Airlines: cancelamentos estão em nível normal

Avião da Turkish Airlines para Tel Aviv volta a Istambul por segurança

Infraero conclui modernização de esteiras de Congonhas

Entidade da aviação pede que governos reavaliem riscos do espaço aéreo

O Globo

Copa: avanço de 13% no fluxo de passageiros nos aeroportos do país

Fotos indicam uso de míssil contra avião, apontam analistas

G1

Anac reajusta em 6,52% tarifas do Aeroporto de Brasília

Caixas-pretas de voo MH17 chegam ao Reino Unido para análise

Valor Econômico

Atech vai equipar aeroportos na Índia

Diário Catarinense

Aeroportos fecham primeiro semestre com crescimento na movimentação de passageiros em Santa Catarina

Aumento no volume de passageiros no aeroporto de Joinville é o maior do semestre entre os terminais de SC

Aeroporto Regional de Jaguaruna, no Sul de Santa Catarina, negocia com Tam e Gol e pode estar no alvo da Avianca

Jornal do Comércio - RS

Lucro da Boeing sobe para US$ 1,65 bi no 2º tri de 2014

Diário de Pernambuco

British Airways mantém voos para Tel Aviv

Gazeta Digital - MT

Entidades pressionam Receita por voos internacionais em MT

Jornal de Turismo

Alitalia transfere operações para novo terminal de Guarulhos

Turkish Airlines divulga dados do tráfego aéreo do primeiro semestre

Azul solicita oitavo voo entre Rio e São Paulo

ANAC irá notificar Governo de Minas e prefeitura de Cláudio/MG

Mercado&Eventos

Airbus faz novos testes com A350 XWB

Panrotas

Aerolíneas anuncia novo destino argentino a partir de SP


Folha de São Paulo

23/07/14 07:00

Serviços auxiliares do transporte aéreo movimentam R$ 3,12 bilhões

POR MARIANA BARBOSA

As empresas terceirizadas que prestam serviço de solo nos aeroportos –como abastecimento de água e serviço de bordo, limpeza de banheiros e retirada de bagagens do avião–, movimentaram R$ 3,12 bilhões no ano passado.

O dado consta da primeira edição do Anuário Brasileiro de Serviços Auxiliares de Transportes Aéreos, publicado pela Abesata, associação das empresas do setor.

A entidade contabilizou a existência de 211 empresas de serviços auxiliares ou ground handling atuando no Brasil. Juntas, empregam diretamente 28.736 funcionários.

A empresas de serviços auxiliares atuam em 7 de cada 10 pousos e decolagens realizados pela aviação civil (regular ou executiva) no país.

Elas estão presentes em 89 aeroportos atendidos pela aviação comercial, de um total de 152 que receberam voos ano passado. Esses 89 aeroportos receberam 97% dos voos comerciais. Há ainda operações em outros 23 aeroportos, com a prestação de serviços à aviação executiva.

O trabalho de ground handling é feito principalmente durante o intervalo entre o pouso e a decolagem de uma aeronave, o chamado turnaround time.


Folha de São Paulo

22/07/2014 16h41

Azul vai estrear o Airbus A330 em rotas domésticas

MARIANA BARBOSA

DE SÃO PAULO

Antes de iniciar sua operação para os Estados Unidos, a Azul vai voar com o A330-200 em algumas rotas domésticas.

Os voos temporários com o jato de dois corredores começam em 1º de setembro e vão ligar Campinas a Recife, Manaus, Rio de Janeiro (Galeão) e Brasília.

Todas as rotas são servidas atualmente pelo Embraer E195. Os voos ainda precisam ser autorizados pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e a expectativa é iniciar as vendas de passagens no início de agosto.

Batizado de América Azul, o A330-200 deve ficar em operação no mercado doméstico até o final de novembro.

Com dois corredores, o avião tem 272 assentos –equivalente a mais de dois E195.

A operação doméstica é uma estratégia comercial e de marketing –não atende a nenhuma exigência de certificação.

A ideia é apresentar o avião e a operação internacional para clientes em destinos de alta densidade e não deixar o avião parado até a liberação do voo internacional.

Gianfranco Beting/Divulgação

Airbus A330-200 da Azul, que vai fazer voos domésticos antes do início da operação internacional

A empresa pretende arrendar ainda mais seis A330-200 para sua operação internacional. A expectativa é iniciar voos para Orlando e Miami (Fort Lauderdale) até o final do ano.

Além dos A330, a operação internacional da Azul será feita com cinco A350-900 novos e que devem integrar a frota da companhia em 2017.

CRONOGRAMA

A ligação entre Campinas e Recife será diária e começa em 1º de setembro.

O voo para Manaus começa no dia 21 de setembro e também será diário. De 21 a 30 de setembro será um voo diurno. E entre 1º de outubro a 30 de novembro a operação passa a ser noturna.

A rota Campinas-Rio de Janeiro será realizada com o A330 apenas às sextas-feiras e aos domingos, no período de 7 a 28 de setembro. Para Brasília, o avião vai voar uma única vez, em 25 de setembro.

O diretor de marketing da Azul, Gianfranco Beting, não descarta a possibilidade de manter o avião em alguma rota doméstica, como Campinas-Manaus, mesmo depois do início da operação internacional.


O Estado de S.Paulo

23 Julho 2014 | 01h 49

Malaysia Airlines: cancelamentos estão em nível normal

AE - AGÊNCIA ESTADO

A Malaysia Airlines informou nesta quarta-feira que não observou uma onda de cancelamentos de bilhetes aéreos nem um aumento dos pedidos de reembolso após a segunda tragédia com uma aeronave da empresa em menos de cinco meses.

A companhia aérea ofereceu reembolso total para os passageiros que já tinham bilhetes para voos programados até o final do ano após a queda do MH17 na Ucrânia na quinta-feira passada, que causou a morte de todos as 298 pessoas a bordo.

Os passageiros que adquiriram bilhetes da companhia têm até quinta-feira para decidir se eles desejam cancelar os seus bilhetes e ter o valor restituído.

Em resposta à reportagem do Wall Street Journal, a Malaysia Airlines declarou que "não tem notado qualquer aumento anormal dos cancelamentos, nem identificou um aumento perceptível dos pedidos de reembolso".

O cancelamento de voos da Malaysia Airlines tem sido muito frequente nas últimas semanas. Ontem, a companhia deixou de fazer 16 dos 164 voos programados para sair de Kuala Lumpur, de acordo com o site do aeroporto da cidade.

A empresa relatou que os cancelamento são "bastante normais" durante o Ramadã, mês sagrado para os muçulmanos.

Fonte: Dow Jones Newswires.

 


O Estado de S.Paulo

22 Julho 2014 | 18h 01

Avião da Turkish Airlines para Tel Aviv volta a Istambul por segurança

REUTERS

Um avião da Turkish Airlines que voava de Istambul para Tel Aviv voltou para a origem nesta terça-feira depois que a companhia aérea suspendeu seus voos para Israel por 24 horas devido a preocupações com a segurança, disse o porta-voz da empresa, Ali Genc, à Reuters.

"A Turkish Airlines decidiu suspender seus voos para Tel Aviv por um período de 24 horas", disse Genc, acrescentando que a companhia continuará monitorando a situação.

A decisão da Turkish Airlines segue movimentos semelhantes de outras empresas aéreas da Europa e dos Estados Unidos.

(Reportagem de Evrim Ergin)

 


O Estado de S.Paulo

22 Julho 2014 | 14h 53

Infraero conclui modernização de esteiras de Congonhas

AYR ALISKI - Agência Estado

A substituição de todas as esteiras (coletoras, de transição, balanças e injetoras) da área de check-in do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, foi concluída, informa a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Esse projeto recebeu investimento de R$ 2,3 milhões.

O trabalho envolveu a instalação de 39 esteiras de balança, 39 esteiras injetoras, três balanças de piso, 33 esteiras transportadoras de bagagens (187 metros lineares), além de três carrosséis de triagem de bagagens despachadas (114 metros lineares). A instalação dos novos equipamentos foi concluída no dia 14 de julho, relata a Infraero.

A empresa destaca a importância da instalação de três novos carrosséis de triagem de bagagens despachadas. Antes, havia apenas um carrossel (que foi substituído) e que atendia a uma só companhia aérea. Os três novos carrosséis suprirão a demanda de todas as empresas que operam no terminal.

"Com as novas esteiras, vamos modernizar e automatizar os equipamentos, aprimorando os processos operacionais, refletindo no ganho de produtividade no atendimento ao passageiro", disse o superintendente da Regional São Paulo, Willer Larry Furtado.

A Infraero explica a função dos equipamentos que formam o sistema, começando pelas balanças (que pesam a bagagem que será despachada). As esteiras injetoras ligam a esteira de balança à de transição. A esteira de transição (ou de ligação) conduz as bagagens à esteira coletora. Esta transporta as bagagens despachadas aos carrosséis de check-out, onde as bagagens passam por uma triagem e são encaminhadas aos aviões.


O Estado de S.Paulo

22 Julho 2014 | 10h 45

Entidade da aviação pede que governos reavaliem riscos do espaço aéreo

REUTERS

Os governos deveriam assumir a liderança na revisão de como é feita a avaliação de risco do espaço aéreo, disse nesta terça-feira o dirigente da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês), depois que companhias aéreas pediram uma reunião de cúpula por conta da derrubada de um avião de passageiros que voava sobre a Ucrânia.

A questão de voos sobre zonas de conflito entrou em foco após o voo MH17 da Malaysia Airlines ter sido derrubado sobre território controlado pelos rebeldes no leste da Ucrânia na quinta-feira passada. As companhias aéreas Emirates e Lufhtansa pediram uma cúpula internacional para discutir como o setor avalia os riscos.

"Nenhum esforço deve ser poupado para garantir que esse ultraje não se repita", disse o diretor-geral da Iata, Tony Tyler, em comunicado nesta terça-feira. A Iata, com sede em Genebra, representa cerca de 200 companhias aéreas mundiais.

"Os governos precisam assumir a liderança na revisão sobre como é feita a avaliação dos riscos do espaço aéreo", ele disse, acrescentando que o setor vai apoiar os governos, por intermédio da Organização Internacional de Aviação Civil (Icao, na sigla em inglês), referindo-se ao braço de segurança aérea da ONU.

A Iata afirmou que cabe aos governos e às autoridades de controle de tráfego aéreo fornecerem informações sobre rotas e restrições, ressaltando que o MH17 estava usando uma rota que estava aberta.

"O avião da Malaysia Airlines era um jato comercial claramente identificado", disse Tyler. "E ele foi derrubado --em total violação das leis internacionais, normas e convenções-- enquanto transmitia a sua identidade e presença em um corredor aéreo aberto e movimentado, a uma altitude considerada segura."

Embora as companhias aéreas voem regularmente sobre zonas de conflito como o Iraque e o Afeganistão, e o céu da Ucrânia seja uma importante rota da aviação entre Europa e Ásia, a derrubada chocou o setor e desencadeou pedidos de reconsideração sobre a avaliação das ameaças para aviões de passageiros voando a milhares de metros de altitude.

A Malaysia Airlines redirecionou um voo para o espaço aéreo da Síria no domingo, após seu caminho habitual sobre a Ucrânia ter sido fechado, o que reflete os desafios que companhias aéreas enfrentam em encontrar rotas livres de conflitos entre a Ásia e a Europa.

(Reportagem de Victoria Bryan)

 


O Globo

23/07/2014 7:00

Copa: avanço de 13% no fluxo de passageiros nos aeroportos do país

Pico dos principais aeroportos ainda está abaixo do observado no Carnaval e fim de ano

POR ANDRÉ DE SOUZA

Aeroportos tiveram grande movimentação

Foto: Eduardo Naddar / Agência O Globo

BRASÍLIA- Os aeroportos brasileiros tiveram grande movimentação durante a Copa do Mundo, com 17,8 milhões de passageiros circulando pelos principais terminais, mais que os 15,8 milhões observados na mesma época no ano passado. Mas, ao contrário do divulgado antes pela Secretaria de Aviação Civil (SAC), não foi superado o recorde para um único dia.

O pico da Copa ocorreu em 14 de julho, dia seguinte à final entre Alemanha e Argentina, quando 560 mil passageiros estiveram nos 21 principais aeroportos usados no torneio. O número é alto, mas está atrás dos 567 mil passageiros de 28 de fevereiro de 2014, sexta-feira de Carnaval, e dos 561 mil de 20 de dezembro de 2013. A correção veio depois que o GLOBO alertou a SAC sobre inconsistências nos números divulgados na semana passada.

Em 14 de julho, o governo organizou um evento para divulgar os números da Copa do Mundo, com a presença da presidente Dilma Rousseff e de 16 ministros, entre eles Moreira Franco, da SAC. Na ocasião, o governo exaltou os recordes de movimento nos aeroportos, que não foram acompanhados de caos aéreo, mas deu informações desencontradas sobre o volume real de passageiros que circularam pelos terminais do ano passado para cá.

Na época, foi divulgado que os 548 mil passageiros de 3 de julho (ainda não havia dados dos dias 14 e 15 de julho) tinham sido o pico histórico, à frente dos recordes anteriores: 467 mil passageiros em 28 de fevereiro de 2014, e 420 mil em 20 de dezembro de 2013. Esses números, porém, estavam errados, abaixo inclusive da média observada no meio do ano passado. Na terça-feira, a SAC explicou que havia feito um recorte diferente dos dados, o que acabou por subestimar o movimento de passageiros no Carnaval e no fim do ano passado.

Ao todo, segundo a SAC informou ontem ao GLOBO, 17,8 milhões de passageiros circularam pelos aeroportos brasileiros entre 10 de junho e 15 de julho de 2014. O novo balanço inclui os dias 14 e 15 de julho, dias subsequentes ao término da Copa, quando muitas pessoas ainda voltavam para casa. O número é 13% superior aos 15,8 milhões de passageiros verificado no mesmo período do ano passado.

Na terça, a SAC explicou que vários aeroportos, quando considerados isoladamente, superaram o movimento observado em 20 de dezembro de 2013 e 28 de fevereiro de 2014. No Galeão, por exemplo, passaram 68,9 mil passageiros em 14 de julho, 23% a mais que os 56,2 mil de 20 de dezembro do ano passado. A maior variação ocorreu em Fortaleza. Em 5 de julho, dia seguinte ao jogo entre Brasil e Colômbia na cidade, 30,4 milhões de passageiros circularam pelo aeroporto, 54% a mais que os 19,7 milhões de 20 de dezembro. Em Curitiba e Porto Alegre, aconteceu o inverso: o pico durante a Copa foi menor que o movimento em 20 de dezembro e 28 de fevereiro.

A SAC também comparou a movimentação dos aeroportos brasileiros durante a Copa com os terminais da África do Sul, sede do Mundial de 2010. Segundo a SAC, os aeroportos sul-africanos movimentaram 4,5 milhões de passageiros entre 1º de junho e 17 de julho de 2010. Só Guarulhos, o aeroporto com maior movimento no Brasil, recebeu 4,1 milhões de passageiros entre 10 de junho e 15 de julho deste ano.

O Galeão recebeu 1,92 milhão de passageiros durante a Copa. Quando considerado apenas o dia 14 de julho, os aeroportos do Galeão, Santos Dumont e Jacarepaguá tiveram uma movimentação de 1.703 aeronaves (769 voos regulares, 96 voos charter, 838 aviação geral) e transportaram 101 mil passageiros. Segundo a SAC, isso é 6% maior que o movimento de 29 de julho de 2013, dia seguinte ao encerramento da Jornada Mundial da Juventude, realizada no Rio.

Na terça, a SAC também passou ao GLOBO números atualizados sobre voos atrasados e o tempo para atendimento em diversos serviços nos aeroportos. O índice médio de atrasos (voos que partem mais de 30 minutos depois do previsto) durante a Copa foi de 6,94%. São considerados satisfatórios índices de até 15%.

O tempo médio para inspeção dos passageiros no raio-x foi de dois minutos e 13 segundos. O tempo de restituição de bagagem em voos internos durou, em média, oito minutos e 36 segundos. Já nos voos internacionais, foram 28 minutos e 18 segundos. O check-in doméstico levou, em média, dez minutos e 40 segundos. Na imigração, o tempo gasto foi de 5 minutos e 7 segundos por passageiro.

Embora os índices de atrasos tenham ficado dentro do satisfatório, houve aeroportos mais problemáticos, como os de Cuiabá e Porto Alegre. Boletins divulgados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ao longo da Copa mostram que, em Cuiabá, os atrasos foram superiores a 15% em oito dias (quatro deles depois que cidade deixou de receber jogos). No caso de Porto Alegre, foram sete dias, mas apenas um depois do fim da Copa na cidade.

MÉDIA DE ATRASOS FICOU ABAIXO DE 15%

Os atrasos acima do normal em geral foram pontuais, atingindo um ou outro aeroporto. Em três dias, porém, os atrasos foram generalizados, alcançando 20% em todo país e afetando vários terminais. Um desses dias foi 17 de junho, dia do jogo entre Brasil e México, atingindo Curitiba, Santos Dumont, Galeão, Porto Alegre, Congonhas, Recife e Salvador. Em todo o país, o índice ficou em 20%.

Em 28 de junho, dia de Brasil e Chile pelas oitavas de final da Copa no Mineirão, o índice de atrasos ficou em 18,3% no país. Os aeroportos com atrasos acima do satisfatório foram Santos Dumont, Curitiba, Cuiabá, Congonhas, Confins, Brasília e Salvador. Em 4 de julho, quando o Brasil derrotou a Colômbia em Fortaleza e se classificou para as semifinais, também houve muitos atrasos, mas a média nacional ficou abaixo dos 15%.

Os boletins diários que a SAC começou a divulgar em 12 de junho, dia da abertura da Copa, registram alguns fatos curiosos. Um deles envolveu a seleção da Rússia. “Uma carga de embutidos e laticínios da delegação russa foi retida em Guarulhos – já que se trata de produtos com entrada proibida no país”, informou boletim divulgado em 15 de junho.


O Globo

22/07/2014 12:24

Fotos indicam uso de míssil contra avião, apontam analistas

Marcas na fuselagem se assemelham a danos causados por mísseis russos SA-11

POR O GLOBO / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Parte da fuselagem do voo 17 da Malaysia Airlines, nos arredores de Grabovo,

no

Leste da Ucrânia. Análises de fotografias dos destroços indicam que perfurações

são

semelhantes às causadas pelo uso de míssil antiaereo SA-11 - NOAH SNEIDER / NYT

LONDRES — Análises de fotos da fuselagem do Boeing 777 da Malaysia Airlines que caiu no Leste da Ucrânia na última quinta-feira indicam que o avião pode ter sido derrubado por um míssil SA-11, uma possibilidade que já havia sido levantada por membros do governo americano. De acordo com as análises, a fuselagem apresenta marcas de estilhaços, semelhantes aos causados pelo míssil, que conta com uma ogiva fragmentadora.

— As perfurações na fuselagem são consistentes com a entrada de um objeto externo no interior da aeronave. Muitas dessas perfurações parecem ter sido causadas por projéteis de alta velocidade — afirmou Reed Foster, um analista da consultoria de defesa IHS Jane’s que analisou registros fotográficos do jornal “New York Times”.

De acordo com Foster, as marcas nos destroços do avião são diferentes do que se esperaria no caso de uma explosão do motor da aeronave, e se assemelham aos perfis dos mísseis antiaéreos usados para destruir aeronaves militares que se movam em alta velocidade. Esses mísseis não atingem os aviões diretamente, mas explodem ao seu lado, criando uma nuvem de estilhaços.

— Esses mísseis têm um funcionamento mais próximo do de uma espingarda do que de um rifle, colocando o máximo possível de grandes fragmentos no ar — afirmou o analista.

Usadas contra um avião civil, que não possui defesas antimísseis, as capacidades destrutivas do míssil SA-11 traria “resultados devastadores”, diz Foster. Sua opinião é compartilhada por Justin Bronk, analista do Royal United Services Institute, e Douglas Barrie, do International Institute for Strategic Studies, que analisaram fotografias do jornal “Financial Times”.

— O tamanho das perfurações encontradas no avião é consistente com o que se esperaria da explosão de um míssil SA-11. No entanto, é difícil analisar o padrão total da explosão com um pedaço tão pequeno da fuselagem — afirmou Bronk.

Bronk e Barrie concordam que mais testes são necessários para determinar exatamente o que aconteceu, incluindo testes químicos de resíduos explosivos. Os dois analistas, e um veterano da Força Aérea britânica entrevistado pelo “Financial Times”, concordam que um grande buraco encontrado em meio aos fragmentos pode ter sido causado de dentro para fora, graças à rápida despressurização da aeronave após a explosão do míssil.

O SA-11 é um míssil grande e de longo alcance, capaz de atingir enormes altitudes em velocidade supersônica, e equipado com 20 quilos de explosivos. Após se aproximar do alvo, o sensor de proximidade detona a ogiva, liberando estilhaços pouco maiores que uma moeda. Criado por engenheiros soviéticos para combater aeronaves militares ocidentais, o SA-11 foi elaborado de maneira que, mesmo que o míssil não acerte seu alvo, e consiga escapar dos efeitos diretos de sua explosão, poucos estilhaços da nuvem possam danificar o motor ou parte dos sistemas hidráulico e de combustível da aeronave.


G1

23/07/2014 08h08

Anac reajusta em 6,52% tarifas do Aeroporto de Brasília

Taxa para embarque doméstico passa para R$ 17,68.

Novos valores passam a valer em 30 dias, segundo o Diário Oficial.

Do G1 DF

Vista aérea do Aeroporto JK, em Brasília

(Foto: Mary Leal/GDF)

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) reajustou em 6,52% as tarifas de embarque e conexão o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, concedido à iniciativa privada. A medida foi publicada nesta quarta-feira (23) no Diário Oficial da União. Os novos valores passam a valer em 30 dias.

Com isso, a taxa para o embarque doméstico passa para R$ 17,68, enquanto para o internacional passa para R$ 31,29. No caso da conexão, as taxas passaram para R$ 8,14 em voos domésticos e internacionais. De acordo com a Inframerica, a média de passageiros que passa por dia no terminal é de 45 mil.

Também foram revistos os preços relativos a pouso, permanência, armazenagem e capatazia (serviço usado geralmente em portos e estações/terminais ferroviários, onde profissionais autônomos fazem o trabalho de carregamento e descarregamento, movimentação e armazenagem de cargas).

O reajuste era previsto pelo contrato de concessão de aeroportos, que previa a manutenção e a exploração da infraestrutura do terminal. O Consórcio Inframerica assumiu as operações do Aeroporto JK no dia 1º de dezembro de 2012.

Outros aeroportos

No dia 10 de julho, a Anac já havia anunciado o mesmo reajuste nos aeroportos de Guarulhos (SP) e Viracopos (Campinas, SP). O aumento de 6,52% valerá, nos terminais, a partir de 10 de agosto.


G1

23/07/2014 07h07

Caixas-pretas de voo MH17 chegam ao Reino Unido para análise

Equipamentos foram entregues pelo departamento de segurança holandês.

Avião com 298 pessoas caiu em região separatista da Ucrânia.

Da France Presse

As caixas-pretas do voo MH17 da Malaysia Airlines, que na última quinta-feira (17) foi derrubado no leste da Ucrânia, chegaram nesta quarta-feira (23) ao Reino Unido para serem analisadas, anunciou o ministério britânico de Transportes.

"As duas caixas-pretas do voo MH17 foram entregues pelo departamento de segurança holandês ao AAIB (departamento de segurança britânico) em Farnborough para que recupere os dados", declarou uma porta-voz do ministério.

O avião, que segundo os Estados Unidos foi derrubado por um míssil, caiu na zona da Ucrânia controlada pelos rebeldes e as 298 pessoas que estavam a bordo morreram.

Os EUA alegam que o Boeing 777 foi abatido por um míssil SA-11 disparado de uma zona sob controle de rebeldes apoiados pela Rússia.

As caixas pretas, que trazem as comunicações a bordo e os dados técnicos do voo, não devem auxiliar na identificação da origem do míssil que provavelmente derrubou o avião, que estava a 10 mil metros de altitude.


Valor Econômico

23/07/2014 às 05h00 1

Atech vai equipar aeroportos na Índia

Por Virgínia Silveira | Para o Valor,

de São José dos Campos

A Atech, do grupo Embraer Defesa & Segurança, foi contratada pela Autoridade de Aeroportos da Índia (AAI) para implantar um sistema de gestão e controle de fluxo de tráfego aéreo, que integrará os dados das companhias aéreas, aeroportos e órgãos de controle.

Segundo o presidente da Atech, Jorge Ramos, adiantou ao Valor PRO, serviço em tempo real do Valor, o contrato está avaliado em US$ 18,5 milhões. Sua execução terá início ainda este mês e o prazo de implantação é de 30 meses. A Atech participou de uma concorrência internacional.

"Com este projeto, estamos fornecendo soluções e produtos que são resultado das nossas atividades de pesquisa e desenvolvimento e projetando globalmente uma tecnologia crítica nacional", afirmou.

O executivo disse que a Atech se destacou entre as demais empresas concorrentes pela expertise no desenvolvimento de projetos de grande complexidade, como a integração de todo o setor aéreo brasileiro em um sistema único de gerenciamento de tráfego.

A Atech é hoje uma das dez empresas do mundo que dominam a tecnologia do controle e gestão de tráfego aéreo. Esta capacitação permitiu que o Brasil atingisse a autonomia no gerenciamento do seu espaço aéreo.

O presidente da Atech diz que o sistema que será fornecido para a Índia, batizado de SkyFlow ATFM, permite que os órgãos de controle do tráfego aéreo atuem para equilibrar a capacidade e a demanda aérea, garantindo a segurança das operações, a regularidade e a pontualidade dos voos.

O executivo afirma que o setor de transporte aéreo da Índia tem grande potencial de crescimento. Segundo dados da AAI, até 2020 o volume de passageiros embarcados deve atingir 452 milhões/ano, tornando a Índia o terceiro maior mercado de aviação do mundo. O investimento previsto para atender a esta demanda foi estimado em US$ 120 bilhões.

Um sistema semelhante ao da AAI está em operação no CGNA (Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea), no Rio de Janeiro. O Sigma (Sistema Integrado de Gestão de Movimentos Aéreos) foi desenvolvido pela Atech para adequar o crescimento da demanda do setor à capacidade de infraestrutura aeronáutica disponível hoje no território nacional.

A experiência da Atech nesta área, segundo explica Ramos, veio com o desenvolvimento e a modernização de todos os centros de controle e defesa do espaço aéreo do Brasil, sendo responsável pela implantação do Sagitário, uma versão mais moderna do sistema de tráfego aéreo brasileiro, operado nos Cindactas (Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo) de Brasília, Curitiba, Manaus e Recife.

A empresa participou da concepção do Sivam/Sipam (Sistema de Vigilância e Proteção da Amazônia), como integradora brasileira de sistemas. Desenvolveu e integrou os sistemas de missão da aeronave P-3 Orion, de patrulha marítima, da Força Aérea Brasileira (FAB). O projeto foi desenvolvido em conjunto com Airbus Defence and Space na Espanha.

A experiência adquirida pela Atech no Sivam a credenciou para participar, junto com a Embraer, do fornecimento de um sistema similar para a vigilância e proteção da Biosfera Maia, na Guatemala.

Esse sistema também contempla seis aviões Super Tucano, radares, um sistema de comando e controle, comunicação, computação e inteligência (C4i), um centro de operações aéreas e um sistema de suporte operacional e de entretenimento computadorizado para pilotos e técnicos.


Diário Catarinense

23/07/2014 | 07h51

Aeroportos fecham primeiro semestre com crescimento na movimentação de passageiros em Santa Catarina

Número de usuários aumentou apesar da redução de oferta de frequências em algumas regiões

Janaina Cavalli e Karine Wenzel

reportagem@diario.com.br

Terminais em Joinville, Navegantes, Criciúma e Chapecó fecharam o primeiro semestre

com aumento no número de usuários Foto: Marcos Porto / Agencia RBS

O primeiro semestre do ano fechou com alta na movimentação de passageiros em quatro de cinco aeroportos do Estado no primeiro semestre do ano. Apenas o terminal de Florianópolis teve queda no número de pousos e decolagens e de pessoas transportadas no período.

No caso do Aeroporto Internacional Hercílio Luz, nem a Copa do Mundo conseguiu aquecer os resultados. O número de pousos e decolagens em junho de 2014 foi 15,1% menor que no ano passado. O mês de abertura da Copa foi o pior do semestre no aeroporto da Capital.

Na análise do presidente da Santur, Valdir Walendowski, a queda nos aeroportos catarinenses é reflexo do desaquecimento da economia. Para ele, enquanto os turistas estrangeiros viajavam pelo país com destino aos jogos da Copa, os turistas brasileiros, empresários e viajantes a trabalho suspendiam os embarques.

Já no Aeroporto Internacional de Navegantes, apesar da queda de 18,6% no número de voos no primeiro semestre, o total de passageiros transportados teve alta de 9,2%. Para o superintendente do terminal, Marco Aurélio Zenni, a redução foi uma estratégia das companhias aéreas, que optaram por enxugar a malha.

— Mesmo com a redução da oferta de assentos, o número de voos está atendendo satisfatoriamente os passageiros — afirma.

Zenni reforça que a partir de setembro, com as festas regionais de outubro e a alta temporada se aproximando, as companhias devem aumentar a oferta de voos.

O Aeroporto Municipal Serafin Enoss Bertaso, em Chapecó, registrou um aumento de 11,5% no número de embarques e desembarques no primeiro semestre. Para o segundo semestre, a expectativa do prefeito José Cláudio Caramori (PSD) é que a Azul retome os dois voos diários para Florianópolis, os quais deixou de operar em abril em função de ajustes na malha aérea para a Copa do Mundo.

— Em maio, montamos uma comissão que foi à sede da companhia em Campinas reivindicar a retomada desses voos. A Azul informou que nos daria uma resposta depois da Copa e estamos esperando — disse Caramori.

De acordo com o administrador do aeroporto, Eglon Buraseska, a companhia tem a intenção de recuperar a operação desses voos em Chapecó e oferecer aeronaves maiores para Florianópolis. Além disso, a Tam solicitou informações à administração do terminal, mas ainda não confirmou um pedido de operação à Anac.


Diário Catarinense

23/07/2014 | 06h31

Aumento no volume de passageiros no aeroporto de Joinville é o maior do semestre entre os terminais de SC

De janeiro a junho deste ano, 230.929 passageiros embarcaram ou desembarcaram em Joinville, um incremento de mais de 36%

Pedro Machado

pedro.machado@an.com.br

ILS começou a operar em Joinville no final de junho deste ano

Foto: Paulo Ricardo Maes / Divulgação

Os ventos estão soprando a favor do Aeroporto Lauro Carneiro de Loyola, de Joinville. Dos quatro terminais aéreos administrados pela Infraero em SC - incluindo Florianópolis, Navegantes e Criciúma -, o de Joinville foi o que registrou o maior crescimento no volume de passageiros no primeiro semestre deste ano.

De janeiro a junho, 230.929 passageiros embarcaram ou desembarcaram na cidade, um incremento de 36,9% na comparação com o mesmo período de 2013. O resultado é melhor do que os registrados em Criciúma (20,2%), Navegantes (9,2%) e na Capital, onde o volume encolheu 8,8%.

Enquanto todos os outros terminais aéreos do Estado tiveram queda nesta categoria, o Aeroporto de Joinville ampliou os pousos e decolagens em 51% no período.

Esse volume tende a aumentar nos próximos meses, já que os números do primeiro semestre foram fechados antes da homologação do instrument landing system (ILS).

O sistema que facilita aterrissagens de aeronaves em condições climáticas adversas começou a operar apenas no dia 27 de junho, mas toda a expectativa criada em torno do processo contribuiu para o crescimento do número de passageiros no período, avalia Rones Heidemann, superintendente do Aeroporto de Joinville.

— Tanto se falou do ILS que, de uma forma subjetiva, isso influenciou nessa evolução. Muitos passageiros de Joinville que iam para Curitiba ou Navegantes retornaram, mais confiantes.

Ainda é cedo para calcular o impacto que o ILS trará na movimentação de aviões e passageiros em Joinville. Aexpectativa é de que a performance do terminal melhore 61% com o sistema - só em 2013, o aeroporto ficou 339 horas sem operar por causa do mau tempo.

Heidemann projeta que, até o fim do ano, o aeroporto receba 500 mil passageiros. O secretário de Desenvolvimento Econômico de Joinville, Jalmei Duarte, vai além e estima um movimento de 600 mil pessoas em 2014 e de até um milhão em 2015.

Busca por mais voos e modernização continua

Com o ILS em funcionamento, a Prefeitura trabalha para aumentar a oferta de voos no aeroporto. Segundo o superintendente Rones Heidemann, Joinville tem tido uma média de nove voos diários.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Jalmei Duarte, já se reuniu com representantes das companhias aéreas e formalizou o pedido, já em análise pelas empresas, por mais viagens.

A ideia é permitir que passageiros que costumam embarcar em Curitiba ou Navegantes tenham mais opções para viajar a partir do Lauro Carneiro de Loyola. A principal demanda é por uma opção diária que parta às 20 horas de Congonhas para Joinville e outra que decole daqui para a capital paulista às 21h30.

Mesmo com as conquistas recentes, Jalmei reconhece que é preciso avançar na modernização do aeroporto.

— Joinville é a terceira maior cidade (em população) do Sul do País. Se olharmos para Curitiba e Porto Alegre, o nosso aeroporto ainda está muito aquém.

Além de obras de ampliação e melhorias, o aeroporto está em fase de homologação de um finger terrestre, um tipo de ponte que leva os passageiros diretamente para dentro do avião, evitando que o embarque e o desembarque sejam feitos pela pista. A previsão é de que ele entre em operação no primeiro trimestre do ano que vem.

A NOTÍCIA

 


Diário Catarinense

2/07/2014 | 19h34

Aeroporto Regional de Jaguaruna, no Sul de Santa Catarina, negocia com Tam e Gol e pode estar no alvo da Avianca

Empreendimento foi homologado em abril e pode receber voos regulares a qualquer momento

Pablo Gomes

pablo.gomes@diario.com.br

Avianca opera hoje em Florianópolis e Chapecó e, segundo o governo, tem novos planos para SC

Foto: Patricia Fuccina / Divulgação

O Aeroporto Regional Sul Humberto Ghizzo Bortoluzzi, localizado em Jaguaruna, no Sul de Santa Catarina, negocia com as duas maiores companhias aéreas do país o início das operações no terminal, homologado em abril deste ano. Em agosto, a RDL Aeroportos, que administra o empreendimento, participará de reuniões com Tam e Gol para tratar efetivamente dos serviços.

Enquanto isso, uma terceira empresa pode estar de olho em Jaguaruna. O governo de Santa Catarina divulgou na tarde desta terça-feira que o vice-presidente da Avianca, Tarcísio Gargioni, esteve no Centro Administrativo, em Florianópolis, para tratar dos projetos da companhia no Estado. Entre eles, um estudo de viabilidade para operar no Regional Sul.

O governo alega que fornecerá as informações técnicas e econômicas para embasar o estudo da Avianca. Porém, a assessoria de imprensa da companhia, que atualmente opera em Florianópolis e Chapecó, não confirma as negociações por Jaguaruna.

A RDL recebeu com surpresa a notícia da visita do vice-presidente da companhia ao governo do Estado. O gerente de operações da RDL, Fernando de Castro, soube do fato pela imprensa e se mostrou bastante satisfeito e otimista. No entanto, admite que em nenhum momento foi procurado pela Avianca para fornecer qualquer tipo de informação.

Depois da homologação do terminal junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), em abril, a RDL trata diretamente com Tam e Gol, que frequentemente buscam informações sobre Jaguaruna junto à RDL. Na segunda quinzena de agosto, reuniões com as duas companhias podem selar algum acordo, mas ainda é cedo para falar em eventuais destinos e valores das passagens.

A RDL oferecerá benefícios tarifários, inclusive isenções de taxas cobradas pelo aeroporto, à primeira companhia que se instalar no local.

— Se realmente tem mais uma companhia interessada, no caso a Avianca, é uma prova de que o nosso aeroporto tem total viabilidade —, diz o gerente de operações da RDL.

Atualmente, o aeroporto de Jaguaruna recebe apenas voos executivos, particulares e oficiais, numa média de 150 passageiros por mês. Quando as operações regulares forem iniciadas, a proposta é embarcar até 90 mil passageiros no primeiro ano, 350 mil entre o terceiro e o sexto ano e um milhão de pessoas a partir do oitavo ano.

DIÁRIO CATARINENSE

 


Jornal do Comércio - RS

23/07/2014 - 10h04min

Lucro da Boeing sobe para US$ 1,65 bi no 2º tri de 2014

ESTADÂO conteúdo

A Boeing registrou lucro de US$ 1,65 bilhão no segundo trimestre de 2014, ante um saldo positivo de US$ 1,09 bilhão no mesmo período do ano anterior, o que representou uma alta de 52%. Em uma base por ação, o ganho foi de US$ 2,24, de US$ 1,41 na mesma base de comparação.

O núcleo dos ganhos operacionais, que são ajustados com a exclusão de alguns itens e certos componentes relacionados a flutuações do mercado, subiu para US$ 2,42 por ação, de US$ 1,67 por ação. A receita avançou para US$ 22,05 bilhões. Analistas consultados pela Thomson Reuters previam ganho por ação de US$ 2,01 e receita de US$ 22,23 bilhões.

A Boeing elevou a projeção de ganhos para o ano. A empresa espera agora ganho entre US$ 7,90 por ação e US$ 8,10 por ação, a partir de sua estimativa anterior de US$ 7,15 por ação a US$ 7,35 por ação. A Boeing reiterou a sua expectativa de bater seu recorde de 2013 de 648 entregas de jatos ao entregar entre 715 e 725 aeronaves em 2014. Os pedidos em 2014 também são previstos a ultrapassar as entregas.


Diário de Pernambuco

23/07/2014 09:35

British Airways mantém voos para Tel Aviv

AFP - Agence France-Presse

A companhia aérea British Airways manteve nesta quarta-feira (23) seus voos para Tel Aviv, apesar das recomendações da Agência Europeia de Segurança Aérea (AESA) de não voar para o aeroporto internacional Ben Gurion.

"Funcionamos normalmente. A segurança é nossa prioridade principal e continuamos examinando a situação com atenção", explicou um porta-voz à AFP.

A AESA fez sua recomendação poucas horas depois que a Agência Federal de Aviação Americanas (FAA) proibiu os voos para Israel durante 24 horas.

A proibição foi feita em função do impacto de um foguete lançado da Faixa de Gaza contra uma localidade próxima do aeroporto de Tel Aviv. Outras companias europeias, como a Air France, Lufthansa e EasyJet, decidiram suspender seus voos.


Gazeta Digital - MT

Terça, 22 de julho de 2014, 18h54

MARECHAL RONDON

Entidades pressionam Receita por voos internacionais em MT

Welington Sabino, repórter do GD

Sindicatos, entidades e conselhos ligados ao setor do turismo e do comércio em Mato Grosso se uniram para pressionar a Receita Federal para que a instituição volte a autorizar a operação de voos internacionais no Aeroporto Internacional Marechal Rondon, em Várzea Grande. Os voos internacionais foram suspensos na semana passada. O primeiro ato, intitulado “Movimento Internacionalização Já” está programado para esta quarta-feira (23) às 14h no aeroporto Marechal Rondon. Pelo menos 12 entidades já confirmaram participação no evento.

Todas defendem a continuidade da rota internacional, visando a abertura de novos voos internacionais, que refletem diretamente no desenvolvimento do Estado nas áreas do turismo, Comércio, Indústria e Serviços. Para o setor produtivo, os vôos internacionais são importantes no contexto da economia de Mato Grosso. Além disso, muitos eventos poderão ser trazidos para o Estado, principalmente nesse período pós-copa.

As entidades ressaltam que esperam uma solução para o alfandegamento definitivo e não temporário como ocorreu durante a Copa do Mundo em Mato Grosso. Conforme o jornal A Gazeta divulgou no dia 12 deste mês, a Receita Federal suspendeu a autorização da companhia aérea que comercializava voos de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, para Mato Grosso.

Durante o período em que o serviço esteve autorizado, 10 voos foram realizados totalizando quase 500 passageiros. Com a alta divulgação de Cuiabá provocada pela Copa do Mundo, o interesse de empresários e turistas sobre o Estado aumentou resultando na venda de passagens até para o mês de agosto para o voo da Bolívia para Mato Grosso. O gerente regional da empresa Amaszonas, companhia aérea responsável pelo serviço, Juliano Gutierrez, a suspensão representa um grande prejuízo econômico e turístico para a região.

O Movimento que será deflagrado no aeroporto Marechal Rondon terá a participação dos Sindicato das Empresas de Turismo; Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares, Sindicato das Empresas Locadoras de Veículos Automotores; Sindicato das Empresas Prestadoras de Serviços do Transporte Aéreo; Sindicato das Empresas Organizadoras de Eventos, Conselho Nacional de Turismo, Associação Brasileira de Agentes de Viagens, Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Várzea Grande, Federação do Comércio, Federação das Indústrias, Clube de Diretores Lojistas, Sebrae e outros que integram a comissão pró-internacionalização.

Os representantes dos segmentos organizados cobram esclarecimentos da Infraero quanto ao término das obras do aeroporto e exigem que seja detalhado um cronograma de execução e que sejam apontados os problemas enfrentados, para que providências sejam tomadas. Eles já se reuniram por 2 vezes com a com a delegada da Receita Federal, Marcela Maria de Matos, para discutir o sistema de alfândega no aeroporto para que os vôos internacionais tivessem continuidade após a Copa do Mundo.

Durante a Copa em Mato Grosso, um ato internacionalização provisória, atendeu vôos do Chile, Colômbia, Rússia, Nigéria, México e Estados Unidos, conforme as exigências da entidade internacional Fifa. A companhia Boliviana Amaszonas também realizou vôos para Santa Cruz de La Sierra, que tem conexão para os países andinos, América do Sul e outros.

Após a Copa, os embarques e desembarques internacionais foram suspensos, sob a alegação da falta de estrutura adequada para o trabalho de alfândega. Conforme a delegada, o sistema de alfândega, exige um espaço compatível para os equipamentos da Receita Federal, um escritório para o controle e o desembaraço de bagagens, além da anuência de órgãos como a Anvisa, Vigiagro e a Polícia Federal.

(Com assessoria)

 


Jornal de Turismo

22 Julho 2014 16:07

Alitalia transfere operações para novo terminal de Guarulhos

A partir de 26 de Julho de 2014, a Alitalia transfere suas operações de check-in, embarque e desembarque do Terminal 1 para o recém inaugurado Terminal 3 do Aeroporto Internacional de São Paulo, Guarulhos.

Após um ano e nove meses de obras, o novo Terminal de Passageiros, o TPS3, do GRU Airport – Aeroporto Internacional de São Paulo entrou em operação no dia 11 de maio, com capacidade inicial para receber 12 milhões de pessoas por ano, na primeira fase. Voltado para voos internacionais, o Terminal 3 tem uma área de 192 mil metros quadrados e conta com tecnologias e equipamentos comparáveis aos dos melhores aeroportos do mundo.


Jornal de Turismo

22 Julho 2014 14:47

Turkish Airlines divulga dados do tráfego aéreo do primeiro semestre

O total de passageiros transportados aumentou 16,8%, tendo atingido 26,2 milhões, contra os 22,4 milhões transportados no mesmo período no ano passado. O aumento no número de passageiros transportados nas linhas doméstica e internacional é de, respectivamente, 19,9% e 14,7%.

· Os passageiros transportados nas classes Business e Comfort aumentaram 13,9% no período, enquanto que os passageiros das conexões internacionais aumentaram 28,4%.

· L/F (Load Factor – fator de aproveitamento do voo) teve um decréscimo de 0,1 ponto, tendo atingido 79%.

· ASK (Available Seats por km - disponibilidade de assentos por km) com 19,3% de aumento, atingiu 64,6 bilhões no período, contra os 54,1 bilhões no mesmo período em 2013. O aumento do ASK nas linhas doméstica e internacional é de 24,4% e 18,6% respectivamente.

· RPK (Revenue per km - Receita gerada por km) - aumentou 19,2% e atingiu 51 bilhões no período de janeiro a junho deste ano, se comparados aos 42,8 bilhões no mesmo período do ano anterior. O aumento em RPK nas linhas doméstica e internacional é 24,8% e 18,4% respectivamente.

· O número de pousos em aeronaves de passageiros subiu 16,7% no período, tendo atingido 199.556 neste ano, contra 171.026 em 2013.

· O volume de cargas e correio transportados de janeiro a junho de 2014 atingiu 328.659 toneladas, ou +24,9% se comparado às 263.170 toneladas no mesmo período no ano anterior.

· Ao final de junho de 2014, o número de destinos cresceu de 234 para 257, se comparado ao mesmo período de 2013.

· O número de aeronaves saltou de 223 (jun/2013) para 257 (jun/2014). Enquanto o número de grandes aeronaves aumentou de 38 para 50, as menores aumentaram de 175 para 198 e as de carga tiveram um decréscimo de 10 para 9 no período.


Jornal de Turismo

22 Julho 2014 13:31

Azul solicita oitavo voo entre Rio e São Paulo

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras pretende ampliar suas operações na ponte aérea entre o Rio de Janeiro (Santos Dumont) e São Paulo (Guarulhos) com a inclusão do oitavo voo direto entre os dois destinos. A expectativa da companhia é iniciar a nova frequência em 8 de setembro – o pedido está em avaliação pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

“Uma das rotas mais procuradas por Clientes ganhará um reforço importante. A inclusão do oitavo voo direto entre São Paulo (Guarulhos) e Rio de Janeiro (Santos Dumont) representa a alta demanda registrada nesse trecho e o crescimento da Azul nesta rota. Desta forma, também garantimos mais uma opção principalmente a quem está constantemente na ponte aérea”, afirma Marcelo Bento, diretor de Planejamento e Alianças da Azul.

Em São Paulo (Guarulhos), a conectividade para os Clientes da companhia envolve Brasília, Cuiabá, Campo Grande, Belo Horizonte (Confins e Pampulha), Curitiba, Goiânia, Ilhéus, Navegantes, Porto Alegre, Recife e Salvador, além do Rio de Janeiro (Santos Dumont). Já no aeroporto da capital fluminense (Santos Dumont), os Clientes da Azul encontram conexões para Porto Seguro, Brasília, Campos, Belo Horizonte (Confins), Curitiba, Goiânia, Macaé, Porto Alegre, São José dos Campos e Campinas, além de São Paulo (Congonhas e Guarulhos).


Jornal de Turismo

22 Julho 2014 13:11

ANAC irá notificar Governo de Minas e prefeitura de Cláudio/MG

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) vai notificar o Governo do Estado de Minas Gerais e a Prefeitura do Município de Cláudio (MG) solicitando que, em até 10 dias, encaminhe informações sobre a suposta utilização irregular do aeródromo local, ainda não homologado pela Agência, conforme reportagens publicadas no jornal Folha de S. Paulo, nos dias 19 e 20 de julho último.

A ANAC fará ainda diligências no aeroporto de Cláudio e em outros da região para apurar eventuais operações (pousos e decolagens) irregulares, tendo em vista que o aeródromo não está homologado pela ANAC e, portanto, não pode receber operações aéreas. Se comprovadas irregularidades, a ANAC adotará as medidas cabíveis. Pilotos e operadores de aeronaves que porventura tenham realizado operações aéreas irregulares poderão ser multados em até R$ 10 mil por operação. A Agência também vai verificar se há outros aeroportos que, em fase de homologação, estejam recebendo operações irregulares.

A ANAC informa que o processo de homologação do aeródromo de Cláudio, iniciado em julho de 2011, não está concluído porque há pendência de documento comunicada ao Governo do Estado ao longo do processo, que é a apresentação à ANAC, pelo interessado (aeroporto), de parecer do Comando da Aeronáutica. Outra pendência anterior foi solucionada em abril deste ano, com a outorga do aeródromo concedida pela SAC por meio do Termo de Convênio de Delegação nº 12/2014, publicado em 23/04/2014 no Diário Oficial da União.

Depois disso, a ANAC fará inspeção para verificar se o aeródromo de Cláudio foi construído de acordo com requisitos técnicos para a emissão da portaria de homologação da ANAC, que será posteriormente encaminhada ao Comando da Aeronáutica para atualização das publicações aeronáuticas e finalização do processo junto ao Comando.


Mercado&Eventos

22/07 - 18:19

Airbus faz novos testes com A350 XWB

A Airbus realizou no último dia 19 o teste de 'Decolagem Abortada com Energia Máxima' no modelo A350 XWB MSN001. O teste foi feito na Base da Força Aérea de Istres (França) e faz parte da série obrigatória para certificação. Ele tem a finalidade de confirmar a capacidade do sistema de frenagem de parar com segurança a aeronave depois de uma decolagem abortada, com alta velocidade e alto peso – usando um conjunto de freios desgastados.

Também conhecido como 'Merto', é o último grande teste do programa A350 XWB antes de a MSN005, uma das duas aeronaves de desenvolvimento equipadas com cabine, embarcar na ‘Prova de Rota’, em julho.

Caroline Lainara

 


Panrotas

22/7/2014 16:34:00

Aerolíneas anuncia novo destino argentino a partir de SP

A Aerolíneas Argentinas anunciou que, entre 19 de outubro e 13 de dezembro, vai operar um voo semanal entre São Paulo e Trelew, cidade localizada na província de Chubut, na Patagônia Argentina. O destino é conhecido por atividades ligadas à natureza, como observação de baleias e mergulho.

Os detalhes da operação serão revelados na próxima terça-feira (29), na Casa Argentina, em entrevista coletiva à imprensa com a presença de diversas autoridades do turismo argentino.

Alex Souza

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS