AeroClippi?ng, quinta-fei?ra, 24/07/14 - ano XII - nº 218

Fonte
  • Menor Pequena Medium Grande Maior
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

O Estado de S.Paulo

Avião cai em Taiwan e deixa 48 mortos

Malaysia cancela voos, mas nega onda de desistências de passageiros

EUA suspendem proibição de voos para Tel-Aviv

Dados de uma das caixas-pretas do MH17 foram recuperados

Demanda por voos domésticos tem leve alta em junho, oferta recua

Aeroporto de Guarulhos retoma mudanças para Terminal 3

Folha de São Paulo

Resultado de junho interrompe crescimento de viagens aéreas

Receita por passageiro deve cair com Copa

Azul terá novos voos em três regiões do país

Anac autua Viracopos por atraso em obras de ampliação

O Globo

Justiça Federal torna indisponível prédio da Vasp, em SP, que seria leiloado

Argélia perde contato com avião da Air Algerie

Avião é escoltado por caças militares para pousar perto de Londres

G1

Jovem piloto que realizava volta ao mundo morre em acidente aéreo

Valor Econômico

Prazo final de Viracopos fica para dezembro

Acidentes ampliam desafio da Malaysia

Jornal do Comércio - RS

Copa trouxe 17,8 milhões de turistas aos aeroportos

Folha de Pernambuco

Site da TAM passa a aceitar PayPal

Diário do Comércio - MG

Belo Horizonte no foco do mundo

Mercado&Eventos

Copa Airlines inicia voos para Viracopos em dezembro

Azul e Copa Airlines assinam acordo de interline

Panrotas

Alitalia oferecerá voos extras entre o Brasil e Roma

Portal iG

Assista ao show de apresentação do Boeing 787-9


O Estado de S.Paulo

QUINTA-FEIRA, 24 DE JULHO DE 2014

Avião cai em Taiwan e deixa 48 mortos

Turboélice da TransAsia Airways tentava um pouso de emergência; 10 sobreviveram

TAIPEI

AFP

Destruição. Avião caiu em meio a residências de Penghu

Dezenas de pessoas morreram ontem quando um avião da TransAsia Airways caiu ao tentar fazer um pouso de emergência na Ilha de Penghu, no oeste de Taiwan. O voo GE222 havia saído de Kaohsiung e tinha como destino a Ilha de Makong, mas foi surpreendido por uma tempestade provocada pela passagem do tufão Matmo, que atravessou a região durante o início da manhã.

De acordo com o Ministério dos Transportes de Taiwan, 48 pessoas morreram e 10 ficaram feridas quando a aeronave, modelo ATR72-500, caiu já pegando fogo em meio a residências. Segundo as autoridades, dois passageiros eram franceses e o restante, taiwaneses.

Depois de uma primeira tentativa de aterrissagem frustrada, o piloto pediu uma nova autorização para tentar pousar a aeronave. Em seguida, o contato foi perdido com a torre de comando. O avião caiu em Penghu e, de acordo com testemunhas, estava em chamas antes de atingir o solo.

“A torre de controle perdeu contato com o avião pouco depois de pedir para dar uma volta (para tentar pousar novamente)”, declarou a uma emissora de TV His Wen-guang, porta- voz dos bombeiros de Penghu. A mesma reportagem informou que o avião se chocou contra duas casas após a aterrissagem frustrada.

Com capacidade para 70 pessoas, o avião levava 54passageiros e 4 tripulantes e caiu próximo à pista de pouso da Ilha de Penghu.Ninguémmorreuouficou ferido nos edifícios que pegaram fogo. Onze feridos foram levados para o hospital, segundo autoridades.

Ventos. “As condições eram de tempestade durante o acidente”, disse His. “Enviamos 11 pessoas com lesões do local do acidente para o hospital. Alguns edifícios próximos à pista de pouso pegaram fogo, mas não havia ninguém dentro no momento e conseguimos extinguir o fogo.”

Penghu, um arquipélago de 64 ilhotas, é um ponto turístico popular que fica cerca de 150 quilômetros a sudoeste da capital de Taiwan, Taipei.

O voo GE222, que normalmente sai às 16 horas, atrasou em razão do mau tempo. O voo deixou Kaohsiung às 16h53, no horário local, segundo a chefe da Administração Aérea Civil, Jean Shen.Oavião perdeu contato com a torre às 19h06, depois de pedir autorização para uma segunda tentativa de pouso. Rajadas de ventos de até 60 km/h foram registradas na região.

Acidentes. A TransAsia tem 63 anos e voa principalmente em Taiwan, mas também tem rotas para a China, Japão e Sudeste Asiático. Ela opera com aviões da Airbus e turboélices da empresa franco-italiana ATR.

A TransAsia teve outro acidente envolvendo o mesmo modelo. Em 2002, uma aeronave ATR 72-200 fretada, com dois pilotos, caiu no mar perto das Ilhas Penghu quando ia de Taipei até Macau. Acredita-se que uma forte nevasca tenha sido a causa da queda.

Este foi o primeiro acidente aéreo fatal de grandes proporções de Taiwan desde 2002, quando um voo China Airlines explodiu no ar sobre o estreito de Taiwan, logo após decolar de Taipei, a caminho de Hong Kong, matando 225 pessoas.

MAU TEMPO

O tufão Matmo atingiu Taiwan ontem, trazendo fortes chuvas, ventos e paralisando tudo, desde o mercado financeiro até escolas.

/ AFP, EFE e REUTERS

 


O Estado de S.Paulo

Quarta-Feira 23/07/14

Malaysia cancela voos, mas nega onda de desistências de passageiros

Companhia desmente que esteja enfrentando grande número pedidos de reembolso de bilhetes após segundo acidente com aviões da companhia em menos de cinco meses

ECONOMIA&NEGÓCIOS

Avião da Malaysia: empresa nega onda de cancelamentos (Foto:Divulgação)

A Malaysia Airlines garantiu nesta quarta-feira, 23, que as vendas de bilhetes aéreos não estão sendo abaladas após a segunda tragédia com aviões da companhia em menos de cinco meses.

Mas os cancelamentos de voos da empresa tem sido frequente nas últimas semanas. Na terça, 22, a companhia deixou de fazer 16 dos 164 voos programados para sair de Kuala Lumpur, de acordo com o site do aeroporto da cidade.

A empresa garantiu que os cancelamento são “bastante normais” durante o Ramadã, mês sagrado para os muçulmanos.

Segundo a empresa, a queda do MH17 na Ucrânia com 298 mortos não provocou uma onda de cancelamentos de bilhetes aéreos e nem aumentou pedidos de reembolso.

A companhia aérea ofereceu reembolso total para os passageiros que já tinham bilhetes para voos programados até o final do ano após o acidente da última quinta-feira.

Os passageiros que adquiriram bilhetes da companhia têm até esta quinta, 24, para decidir se desejam cancelar os seus bilhetes e ter o valor restituído.

Em resposta a uma reportagem do Wall Street Journal sobre uma onda de desistências, a Malaysia Airlines declarou que não tem notado qualquer aumento anormal de cancelamentos e nem identificou um ‘aumento perceptível dos pedidos de reembolso’.

Fonte: Dow Jones Newswires.

 


O Estado de S.Paulo

24 Julho 2014 | 02h 13

EUA suspendem proibição de voos para Tel-Aviv

AE - Agência Estado

A Administração da Aviação Federal (FAA, na sigla em inglês) dos EUA suspendeu a proibição de voos do país para o aeroporto internacional de Tel-Aviv, em Israel, depois de analisar as medidas de Estado judeu para reduzir os riscos à segurança dos passageiros. A decisão passou a valer à 0h45 (de Brasília).

"Antes de tomar esta decisão, a FAA trabalhou com os seus homólogos do governo dos EUA para avaliar a situação de segurança em Israel e a informação que tivemos é de que o governo local está tomando medidas para reduzir os riscos potenciais para a aviação civil", informou a entidade por meio de um comunicado publicado em seu site.

A suspensão durou por dois dias e foi tomada sob a alegação do risco que as aeronaves corriam o risco de serem atingidas por foguetes do Hamas. A decisão de aplica apenas às companhias áreas norte-americanas.

Desde às 20h (de Brasília) de terça-feira, 80 voos que chegariam ou sairiam do aeroporto internacional de Tel-Aviv foram cancelados. Além das companhias norte-americanas, a Deutsche Lufthansa e a Air France também suspenderam os voos à Israel.

A proibição dos voos dos EUA para Israel foi criticada pelo governo israelense e pelo senador republicado Ted Cruz.

Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

 


O Estado de S.Paulo

23 Julho 2014 | 22h 21

Dados de uma das caixas-pretas do MH17 foram recuperados

AE - AGÊNCIA ESTADO

Os dados de uma das duas caixas-pretas do voo MH17 da Malaysia Airlines foram recuperados com sucesso por peritos do Reúno Unido, informou o Conselho de Segurança Aérea da Holanda, que relatou ainda que o segundo dispositivo será analisado nesta quinta-feira.

"Os dados de voz de uma das caixas foram transferidos com sucesso. O dispositivo foi danificado, embora o módulo de memória crítica estivesse intacto, sem evidências de alteração", informou o conselho holandês em uma nota.

Os dois dispositivos, que armazenam dados das conversas no cockpit, chegaram ao Reino Unido na manhã desta quarta-feira e passam por análises de peritos especialistas em acidentes aéreos. O conteúdo das gravações fará parte da investigação que as autoridades holandesas fazem sobre a queda da aeronave.

Fonte: Dow Jones Newswires.

 


O Estado de S.Paulo

23 Julho 2014 | 19h 52

Demanda por voos domésticos tem leve alta em junho, oferta recua

REUTERS

A demanda por voos domésticos no Brasil em junho subiu 0,5 por cento sobre o mesmo período do ano passado, enquanto a oferta de assentos recuou 1,5 por cento, informou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), nesta quarta-feira.

O dado segue tendência seguida há alguns meses pelas companhias aéreas de dosar a oferta no mercado como forma de melhorar rentabilidade e lidar com a desaceleração do crescimento do mercado doméstico.

Segundo a agência, a taxa de ocupação das aeronaves em voos domésticos operados por empresas brasileiras foi recorde para o mês de junho nos últimos dez anos e ficou em 78,4 por cento. O número representa uma alta de 2 por cento em relação ao mesmo mês de 2013, informou a Anac.

A TAM, do grupo Latam, encerrou junho com participação de 37,5 por cento no mercado doméstico ante 39,70 por cento no mesmo mês de 2013. Já a rival Gol viu a fatia recuar de 36 para 35,1 por cento no período.

A Azul, terceira maior companhia áerea do país, avançou quase cinco pontos percentuais, para 17,70 por cento. Enquanto isso, a Avianca, elevou sua participação no mercado doméstico em cerca de 2 pontos, para 9 por cento.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

 


O Estado de S.Paulo

Quarta-Feira 23/07/14

Aeroporto de Guarulhos retoma mudanças para Terminal 3

MÔNICA NÓBREGA

Até setembro, 25 empresas que operam voos de longa distância transferirão suas operações para a nova área; clique aqui para conferir de onde sai seu voo

O aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, retomou as mudanças de companhias aéreas para o novo Terminal 3. Cinco empresas que operam voos de longa distância desde e para o aeroporto paulista transferirão suas operações para o Terminal 3 até sábado, 26 de julho.

Vista do novo Terminal 3. Fotos Paulo Whitaker/Reuters

O Terminal 3 foi inaugurado em 11 de maio, mas as transferências de empresas aéreas para a nova área ficaram paralisadas durante a Copa. A previsão da GRU Airport, administradora do aeroporto, é de que 21 companhias, mais o grupo LATAM, com 5 marcas, estejam instaladas na nova área até setembro.

Etihad, Qatar e Singapore devem se transferir ao longo desta semana. Alitalia e Korean Air migram no sábado (dia 26). Air France e KLM mudam no fim de semana seguinte, em 2 de agosto, e Iberia, em 7 de agosto.

O Terminal 3 tem 26 portões de embarque e capacidade para receber 12 milhões de passageiros por ano. Nos Terminais 1 e 2, onde permanecem as empresas aéreas nacionais e as que fazem voos de curta distância (América do Sul e Caribe), são 43 pontes de embarque e 48 posições remotas, segundo a GRU Airport.


Folha de São Paulo

QUINTA-FEIRA, 24 DE JULHO DE 2014

Resultado de junho interrompe crescimento de viagens aéreas

Demanda por voos teve alta de 0,5% no mês passado, pior desempenho para o mês em 11 anos

Mais dependente do passageiro de negócios, a TAM foi a empresa que mais sofreu, com queda de 5,2% no mês

MARIANA BARBOSA

DE SÃO PAULO

Dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mostram que a Copa do Mundo não foi suficiente para aquecer a demanda doméstica por transporte aéreo.

A demanda ficou praticamente estável, com crescimento de 0,49% em junho na comparação com o mesmo período de 2013 --foi a pior taxa de crescimento para o mês desde 2003 (-17,4%).

Ainda que a Copa tenha durado 32 dias, a malha aérea com a oferta ajustada para o Mundial vigorou de 6 de junho a 20 deste mês.

As empresas cortaram voos de forte demanda corporativa e reforçaram as cidades-sede em dias de jogos.

Apesar da estabilidade, o desempenho do setor em junho foi visto como positivo pela Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), que previa queda de 5% a 10% na demanda na Copa.

A expectativa antes do Mundial era que a demanda do evento não seria suficiente para cobrir a queda no turismo corporativo, que efetivamente desapareceu em junho. Para julho, a expectativa da Abear é de um desempenho similar a junho.

A TAM, que deixou de patrocinar a seleção brasileira (agora é a Gol) e é a companhia que mais depende do tráfego de negócios, foi a mais afetada pela Copa: a demanda caiu 5,2% em junho.

A Gol fechou muitos contratos de fretamento com a agência oficial da Fifa e caiu menos: 1,9%. Já as duas menores conseguiram ganhar mercado. A Azul cresceu 38,6%, e a Avianca, 31,2%.

Os dados da Anac medem o volume de passageiros pagantes por quilômetro voado (RPK). O indicador é o mais usado pela indústria pois permite comparar empresas com operações distintas.

MÊS EM BAIXA

A oferta de assentos por quilômetro voado em junho encolheu 1,5% sobre junho de 2013.

Em número de passageiros pagantes embarcados, a demanda ficou praticamente estável: -0,63%.

Foram embarcados 6,22 milhões de passageiros, ante 6,26 milhões em junho do ano passado, segundo a Abear.

No acumulado até junho, o crescimento do mercado doméstico em RPK foi de 6,56%. Junho representou uma freada no ritmo de crescimento do setor, que desde dezembro vinha exibindo taxas bastante elevadas.

Depois de um 2013 fraco, que prolongou a agonia das empresas aéreas --desde 2012 elas vêm registrando prejuízos bilionários--, o desempenho no início do ano surpreendeu.

Uma das explicações é que o passageiro que viaja a negócios pode ter antecipado viagens temendo problemas nos aeroportos durante a Copa do Mundo.

Segundo a Abear, é difícil neste momento fazer projeções para o segundo semestre. A entidade mantém sua previsão de crescimento de 5% a 6% para o ano.


Folha de São Paulo

QUINTA-FEIRA, 24 DE JULHO DE 2014

Receita por passageiro deve cair com Copa

DE SÃO PAULO

A Copa também deve afetar a receita das companhias aéreas, uma vez que o passageiro que viaja a negócio paga tarifas maiores do que o turista.

As empresas fecharam muitos pacotes com agências de turismo, negociações que ajudam a encher os aviões, mas a um custo menor por passageiro. A TAM divulgou que estima perda de receita da ordem de US$ 140 milhões a US$ 160 milhões com a Copa.

A empresa reduziu a previsão de margem de lucro operacional para o ano, de 6% a 8%, para 4% a 5%. Os números da Gol para junho só serão conhecidos com a divulgação do balanço do segundo trimestre, em agosto.

Avianca e Azul não divulgam balanços. A Folha apurou que as receitas devem empatar com as do ano passado --o que, em termos reais, representa queda de 7%.

INTERNACIONAL

A demanda internacional para as empresas brasileiras cresceu 7,5% em junho. A oferta de assentos se estabilizou, depois de oito meses de queda.


Folha de São Paulo

QUINTA-FEIRA, 24 DE JULHO DE 2014

Azul terá novos voos em três regiões do país

SOBREVOO

O viajante terá novas opções saindo do aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. A partir de 11 de agosto, a companhia terá dois voos por dia para Vitória, além de implementar a sexta frequência diária para Porto Alegre e a terceira para Cuiabá. Por causa da baixa frequência, a Azul deixará de operar o voo entre Juiz de Fora e o aeroporto de Confins, em Minas Gerais.


Folha de São Paulo

23/07/2014 19h43

Anac autua Viracopos por atraso em obras de ampliação

LUCAS SAMPAIO

DE CAMPINAS

O aeroporto internacional de Viracopos, em Campinas (a 93 km de SP), foi autuado nesta quarta-feira (23) pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) devido ao atraso nas obras de expansão do aeroporto.

Concedido à iniciativa privada em 2012, Viracopos deveria ter inaugurado em 11 de maio um novo terminal de passageiros, um edifício-garagem, obras viárias de acesso e novas pistas de aeronaves.

Nada ficou pronto no prazo, e apenas as novas pistas de aeronaves foram inauguradas na véspera da Copa do Mundo. Uma pequena parte do terminal de passageiros foi utilizada pelas delegações das seleções que ficaram hospedadas na região de Campinas, e o edifício-garagem passou a operar em fase de testes há três semanas.

Em abril, a Folha antecipou que as obras de ampliação do aeroporto seriam entregues incompletas para a Copa.

Em maio, informou que o novo terminal só receberia voos depois do torneio.

Apesar de ter autuado a Aeroportos Brasil Viracopos, concessionária que administra o aeroporto, a Anac informou que o valor da multa pelo descumprimento do contrato só será definido após a análise da defesa.

Em nota, a concessionária afirmou que ainda não recebeu o auto de infração. "Após a entrega da notificação, a concessionária irá apresentar sua defesa no prazo legal previsto."

Divulgação

Vista do aeroporto Viracopos, em Campinas, autuado por atraso em obras

DEFESA

Segundo a Anac, a Aeroportos Brasil Viracopos tem 20 dias para apresentar defesa. Após a análise, a agência decidirá sobre a aplicação de penalidade, definindo o valor da multa –que pode chegar a R$ 170 milhões, mais R$ 1,7 milhão por dia.

O diretor-presidente da Anac, Marcelo Guaranys, já disse que a multa deverá ficar entre R$ 70 milhões e R$ 170 milhões. "As projeções continuam válidas, mas são apenas estimativas", afirmou a agência.

Viracopos é, hoje, o segundo maior aeroporto de cargas do Brasil e o sexto em número de passageiros (recebeu 9,3 milhões de pessoas em 2013, à frente do Santos Dumont, no Rio).

A projeção da concessionária é que, até 2042, o terminal seja usado por 80 milhões de passageiros por ano e se torne o maior da América Latina.

ATRASO DE 7 MESES

Pelo novo cronograma de obras que apresentou à Anac, a Aeroportos Brasil Viracopos pretende concluir a primeira fase de investimentos em três etapas, com o prazo final em dezembro.

Na semana passada, ao anunciar que havia repassado o documento à Anac, a concessionária disse que as obras ficariam prontas em outubro.

O terminal de passageiros, com saguão principal e três píeres, é o trecho das obras de Viracopos que enfrenta os maiores atrasos.

Por isso, a Gol inaugurou no sábado (19) a primeira conexão do interior de São Paulo com as Américas do Norte e Central no terminal atual –onde a sala de embarque é "reversível" para voos domésticos e internacionais.


O Globo

23/07/2014 18:02

Justiça Federal torna indisponível prédio da Vasp, em SP, que seria leiloado

Para a juíza Regilena Emy Fukui edifício que foi sede da empresa pertence à União

POR O GLOBO

SÃO PAULO - A juíza federal Regilena Emy Fukui Bolognesi, da 11ª Vara Federal Cível em São Paulo, determinou liminarmente a indisponibilidade do edifício onde funcionava a sede da Viação Aérea São Paulo S/A, localizado no aeroporto de Congonhas, Zona Sul da capital. Com isso, fica suspensa a alienação judicial do imóvel no processo de falência da empresa. O leilão do prédio da Vasp estava marcado para o próximo dia 31 de julho, com lances presenciais e eletrônicos. Outros cinco leilões de bens da Vasp estão marcados para agosto e setembro deste ano e o valor arrecadado será utilizado para o pagamento dos credores trabalhistas, até o valor de 150 salários-mínimos para cada um.

A juíza ordenou ainda o bloqueio da matrícula do imóvel e garantiu a posse do edifício à União Federal, por intermédio da Infraero – Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária. A União Federal entrou com ação contra a Vasp, entendendo ter o domínio sobre o imóvel de cerca de 15 mil metros quadrados. A empresa, que teve sua falência decretada há alguns anos, alegava ser dona do prédio, já na década de 1980 teria recebido o edifício através de doação do governo do estado de São Paulo.

Para a construção do aeroporto de Congonhas, o governo de São Paulo desapropriou terras e assinou com a União um contrato de concessão para a manutenção, aparelhamento e exploração do terminal aéreo. Ao final do prazo de 25 anos, estava prevista a reversão da construção para o patrimônio da União. Com o fim do contrato de concessão, a União Federal assumiu o serviço do aeroporto por meio da Infraero, e teve incorporada ao seu patrimônio toda infraestrutura aeroportuária.

Mas, por razões desconhecidas, o imóvel ocupado pela Vasp não foi incluído na relação dos bens devolvidos ao governo federal. Ao contrário, o prédio foi doado à Vasp pelo estado de São Paulo.

Para a juíz, “a ausência do imóvel no termo de incorporação administrativa não traz implicação alguma ao domínio da União sobre o bem, uma vez que, a União adquiriu o domínio do imóvel quando da sua desapropriação, independentemente de registro imobiliário ou incorporação administrativa”.

Ela acrescenta que “a doação do imóvel realizada pelo estado de São Paulo para a Vasp não tem validade e nula é a averbação da propriedade em nome da Vasp na matrícula do imóvel junto ao Cartório de Registro de Imóveis”.

Ela conclui que o domínio do imóvel sempre foi e continua sendo da União e, consequentemente, não pode ser leiloado no processo de falência da empresa de aviação.


O Globo

24/07/2014 7:25

Argélia perde contato com avião da Air Algerie

Voo ia de Ouagadougou, capital do Burkina Faso, a Argel, com 116 pessoas a bordo

POR REUTERS

ARGEL — As autoridades de aviação da Argélia perderam o contato com um avião da companhia nacional Algerie Air que ia de Ouagadougou, capital do Burkina Faso, a Argel, capital argelina, cerca de 50 minutos após a decolagem, informou nesta quinta-feira a agência estatal de notícias APS.

O voo AH 5017 tinha 110 passageiros e seis tripulantes a bordo, segundo as autoridades. O avião estava originalmente programado para pousar às 5h10 (1h10 no horário de Brasília).

A aeronave foi fretada pela companhia aérea espanhola Swiftair. Em um comunicado, a Swiftair disse que o avião era um MD83 e que não foi capaz de estabelecer contato. A empresa disse ainda não ter conhecimento das razões pelas quais o sinal do voo desapareceu.

O voo AH 5017 faz a rota Ouagadougou-Argel quatro vezes por semana, segundo a agência de notícias AFP.


O Globo

23/07/2014 18:38

Avião é escoltado por caças militares para pousar perto de Londres

Polícia não informou motivo do incidente, que fechou aeroporto de Stansted

POR O GLOBO

LONDRES — Caças militares escoltaram um avião particular do tipo Gulfstream em Londres até o aeroporto de Stansted nesta quarta-feira após a aeronave perder contato com os controladores de tráfico, segundo Mark Davison, porta-voz da autoridade de aviação no Reino Unido.

O jato particular pousou no aeroporto, que fica a cerca de 65 quilômetros do centro de Londres, às 7h45, hora local, 3h45 em Brasília, informou o porta-voz.

O aeroporto foi fechado para a aterrizagem e depois, reaberto. Apenas um voo fi atrasado devido ao incidente.

A polícia não ofereceu nenhum comentário a respeito.


G1

23/07/2014 20h40

Jovem piloto que realizava volta ao mundo morre em acidente aéreo

Haris Suleman, de 17 anos, voava promovendo ensino entre pobres.

Ainda não se sabe causa do acidente; buscas pelo pai prosseguem.

Da AFP

Haris Suleman e seu pai posam perto de avião em que

voavam no dia 19 de junho, no aeroporto de Greenwood

(Foto: AP Photo/The Indianapolis Star, Robert Scheer)

O piloto paquistanês-americano de 17 anos Haris Suleman, que realizava uma volta ao mundo de avião para promover o ensino entre as crianças pobres, morreu nesta quarta-feira (23) em um acidente aéreo diante das Ilhas Samoa, no Oceano Pacífico.

Haris, que estava próximo de concluir sua viagem aérea de 30 dias, realizava a aventura com seu pai, que ainda é procurado pelas equipes de resgate.

Daniel Moorani, diretor do braço americano da The Citizens Foundation, para a qual pai e filho realizavam a volta ao mundo de avião, disse à AFP que "soube do ocorrido há apenas duas horas e meia". "Estamos devastados".

Um porta-voz da NTSB, a autoridade americana de segurança aérea, revelou à AFP que o órgão investiga o caso de "um avião que caiu em Pago Pago com um jovem piloto a bordo", sem dar mais detalhes.

Haris Suleman, que estava próximo de concluir sua aventura como o piloto mais jovem a dar a volta ao mundo em um avião monomotor, partiu de Indianapolis (norte dos Estados Unidos) e passou por Groenlândia, Egito, Paquistão e Sri Lanka antes de seguir das ilhas Samoa para Fiji. As últimas etapas seriam Havaí e San Francisco, antes de retornar a Indianapolis.

Segundo Moorani, o corpo do adolescente será repatriado aos Estados Unidos, enquanto prosseguem as buscas pelo pai, Babar Suleman.

Segundo a Citizens Foundation, Haris Suleman voava há oito anos com o pai e até o momento não se sabe a causa do acidente.


Valor Econômico

24/07/2014 às 05h00

Prazo final de Viracopos fica para dezembro

Por Fábio Pupo | De São Paulo

A concessionária do aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), definiu como dezembro o novo prazo para transferência das companhias aéreas do antigo para o novo terminal de passageiros. Antes, o plano da empresa era concluir a migração das operações até outubro.

O plano está no novo cronograma apresentado pela própria concessionária à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A companhia pretende concluir as obras do empreendimento cinco meses depois do prazo inicial.

A concessionária tinha que iniciar a operação do novo terminal e concluir outros investimentos até 11 de maio, mas não conseguiu atender o prazo contratual. Ontem, a Anac enviou auto de infração à Aeroportos Brasil Viracopos pelo descumprimento.

Segundo divulgou a Anac, a autuação ocorreu depois das inspeções feitas em maio. A concessionária terá 20 dias, após o recebimento, para apresentar sua defesa. "A concessionária Aeroportos Brasil Viracopos informa que ainda não recebeu o auto de infração. Após a entrega da notificação, a concessionária irá apresentar sua defesa no prazo legal previsto", diz a empresa.

A argumentação será então analisada pela Anac, que decidirá sobre a penalidade - definindo o valor da multa.

Segundo a Anac, entre os itens pendentes estão o início da operação do novo terminal com 28 pontes de embarque, operação dos novos pátios e áreas de movimentação de aeronaves. A Aeroportos Brasil Viracopos é controlada por Triunfo Participações e Investimentos (TPI), UTC e Egis. Juntas, têm 51% da concessão. Os outros 49% são da Infraero.


Valor Econômico

24/07/2014 às 05h00

Acidentes ampliam desafio da Malaysia

Por João José Oliveira | De São Paulo

Malaysia Airlines, que integra a aliança aérea Oneworld, transportou no ano passado

17 milhões de pessoas para 63 destinos, com uma frota de 90 aeronaves

A Malaysia Airlines ainda atravessa a pior turbulência que uma companhia aérea pode enfrentar - uma de suas aeronaves, um Boeing 777 foi abatido por um míssil, provocando a morte de todos os 298 ocupantes. Executivos e os 20 mil funcionários da empresa têm desde o dia do acidente, em 17 de julho, a missão de conciliar investigação, atendimento às famílias das vítimas com a operação diária, que continua.

Afinal, são 340 voos diários realizados por quase 90 aeronaves, que atendem 63 destinos em todo o mundo - nenhum no Brasil. Uma malha que em 2013 atendeu 17 milhões de clientes.

Mas na mesma medida em que empresa e governantes buscam culpados - russos e ucranianos se acusam pelo disparo do míssil -, uma nuvem de incerteza se forma no radar da Malaysia Airlines.

Nunca na história da aviação civil uma companhia aérea perdeu dois aviões, lotados de passageiros, em um período tão curto: menos de cinco meses. Em março último, o voo 370 da Malaysia Airlines entre Kuala Lumpur e Pequim desapareceu com 239 pessoas a bordo.

"Aviação é antes de tudo segurança. Por isso esse é o fator mais importante em todas as companhias", disse um executivo de primeiro escalão de uma aérea brasileira. "O que aconteceu com a Malaysia em julho poderia ter acontecido com qualquer outra empresa. O tempo diminui o receio, a desconfiança. Mas o agravante nesse caso é que a Malaysia perdeu dois aviões em um semestre", disse o executivo, sob condição de não ser identificado.

Na bolsa de valores da Malásia, onde tem ações cotadas, o valor da companhia caiu 23% desde o primeiro acidente, em março. No pior momento, em 19 de maio, chegou a registrar 50% de desvalorização acumulada.

A Malaysia disse ontem não ter registrado uma onda de cancelamentos de reservas. A companhia ofereceu reembolso total aos passageiros com bilhetes para todos seus voos ao longo deste ano após a queda do voo na Ucrânia na quinta-feira passada. Os passageiros têm até hoje para decidir se querem manter ou cancelar suas reservas.

A Malaysia Airlines garantiu ainda que "não tem experimentado nenhum aumento fora do normal nos cancelamentos, nem qualquer aumento perceptível em pedidos de reembolso". Em termos financeiros, esse cenário precisa se confirmar para que sejam eliminados maiores riscos para seu futuro.

A Malaysia fechou o primeiro trimestre com prejuízo líquido de US$ 139,5 milhões. Mais que a perda no mesmo período de 2013, de US$ 87,7 milhões.

A companhia tinha em 31 de março US$ 1,1 bilhão em caixa, ante um endividamento de US$ 3,7 bilhões, conforme dados levantados pelo diário "The Wall Street Journal" junto à empresa S&P Capital IQ. Em 2013, a aérea estatal da Malásia perdeu US$ 368 milhões e chegou ao terceiro ano consecutivo de prejuízo líquido.

Analistas do setor aéreo apontam que uma combinação formada por prejuízo líquido e alta alavancagem exige da administração foco em corte de custos e geração de receitas. Mas essa fórmula pode não ser aplicada à Malaysia Airlines.

Para esses especialistas, o governo malaio, dono de 63% da aérea, deve ser chamado a aportar capital e resgatar a operação em algum momento até 2015.

Dados da Oneworld - aliança aérea global formada por 16 companhias incluindo a Malaysia - mostram que em junho a empresa malaia tinha uma boa taxa de ocupação em seus voos, de 81,9%. Esta é a quarta maior taxa de ocupação dessa aliança.

Em nota logo após o acidente na Ucrânia, a Oneworld informou que as companhias aéreas do grupo estavam oferecendo à Malaysia Airlines tudo o que fosse necessário para ajudá-la.

Oneworld e TAM, companhia aérea brasileira que integra a mesma aliança da Malaysia, não registram reflexos comerciais da tragédia ucraniana no Brasil.

"Uma pena", disse sobre a situação da Malaysia um executivo do setor aéreo brasileiro que lembrou os prêmios que a Malaysia já ganhou pelo padrão de serviços. Em 2013, a Malaysia foi classificada como a melhor aérea da Ásia segundo o World Travel Awards (WTA) e recebeu prêmios da Skytrax World Airline Awards nos quesitos The World's 5-Star Airline e Best Airline Signature Dish.


Jornal do Comércio - RS

24/07/2014

Copa trouxe 17,8 milhões de turistas aos aeroportos

Cidades-sede do Mundial de 2014 receberam quatro vezes mais pessoas que a África do Sul no torneio de 2010

Notícia da edição impressa

tânia rêgo/divulgação/jc

Volume de estrangeiros bateu recordes históricos de movimentação

Os 21 principais aeroportos brasileiros, que concentraram o fluxo de torcedores durante a Copa do Mundo, receberam 17,8 milhões de passageiros entre os dias 10 de junho e 15 de julho. Esse intervalo de tempo compreende o período entre dois dias antes e dois dias depois do final do mundial. O número é quase 13% maior que em igual período do ano passado, quando esses mesmos terminais receberam 15,8 milhões de pessoas. O balanço foi divulgado nesta quarta-feira, 23, pela Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República (SAC-PR).

Guarulhos foi o aeroporto que mais movimentou passageiros durante a Copa, com 4,1 milhões de passageiros. O aeroporto do Galeão registrou fluxo de 1,92 milhão de passageiros. Em Brasília, foram 1,77 milhão de passageiros no período. O aeroporto de Congonhas, na capital paulista, registrou 1,41 milhão de passageiros. Em Confins (MG), a movimentação chegou a 1,12 milhão de passageiros.

O recorde de movimento nos aeroportos brasileiros foi registrado em 14 de julho, dia seguinte à final entre Alemanha e Argentina, um dos maiores picos de movimentação do ano, se considerada toda a malha: 560 mil passageiros. A SAC destaca que cada aeroporto teve o próprio dia de maior movimento.

Em Salvador, por exemplo, a Copa atraiu mais gente para o aeroporto do que o Carnaval, o principal evento anual do calendário turístico. Foram 36,7 mil pessoas no dia 14 de junho, 15% a mais do que no dia de maior movimento do Carnaval deste ano, cita a SAC.

No Rio de Janeiro, o dia 14 deste mês bateu recorde histórico de movimentação nos aeroportos Santos Dumont e Tom Jobim, com 101,5 mil pessoas transitando pelos terminais, destaca a SAC. Isso significa cerca de 5% mais do que as 95,6 mil pessoas que passaram pelos dois terminais no dia seguinte à final da Copa das Confederações.

No dia 9 de julho, o aeroporto de Guarulhos bateu seu recorde de movimentação na Copa, com 1.040 voos. Nesse dia, em média, um voo pousou ou decolou no aeroporto a cada 1 minuto e 23 segundos, ou seja, 43 movimentos por hora. “Graças ao planejamento rigoroso e aos investimentos realizados desde 2011 na ampliação e reforma dos aeroportos, pudemos operar essa estrutura e manejar esse pico de demanda com alto grau de pontualidade”, afirmou o ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco.

O índice médio de atrasos superiores a 30 minutos nas partidas foi de 6,94% entre 10 de junho e 15 de julho. A SAC cita que, na União Europeia, os atrasos com mais de 30 minutos em todo o ano de 2013 representaram 7,6% do total.

O tempo médio de restituição de bagagem nos nossos aeroportos durante a Copa foi de 8 minutos e 36 segundos para os voos domésticos e de 28 minutos e 18 segundos nos internacionais. O check-in doméstico demorou, em média, menos de 11 minutos. E a emigração ocorreu em 5 a 7 minutos, cita o balanço divulgado hoje.

A SAC argumenta que os principais aeroportos que atenderam as cidades-sede da Copa de 2014 receberam quatro vezes mais pessoas que os principais aeroportos da África do Sul durante a Copa de 2010. Segundo a Secretaria, passaram pelos terminais de passageiros sul-africanos cerca de 4 milhões e meio de pessoas entre 1 de junho e 17 de julho de 2010. Como comparação, a SAC cita que, no Brasil, Guarulhos movimentou sozinho mais de 4 milhões de pessoas durante a Copa 2014.


Folha de Pernambuco

23/07/2014 16:03

Site da TAM passa a aceitar PayPal

Sistema de pagamento online visa agilizar compra online de passagens aéreas

Do FolhaPE, com informações de assessoria

A TAM Linhas Aéreas e o sistema de transações online PayPal fecharam um acordo para permitir que clientes da companhia utilizem sua conta para comprar passagens feitas pelo site da empresa de aviação. A opção de pagamento busca garantir mais rapidez e menos passos até a finalização da compra.

O UATP (Universal Air Travel Plan, na sigla em inglês) é a tecnologia por trás da nova facilidade disponível aos clientes da TAM. A solução de pagamentos internacional é controlada e operada por companhias aéreas do mundo todo e aceita em milhares de estabelecimentos para compra de passagens aéreas, passagens de trem, hotéis e pacotes de viagem.

Outra novidade para os clientes da TAM é a possibilidade de parcelar as compras de passagens efetuadas por meio da versão mobile do site da companhia – seis vezes para voos domésticos e cinco para internacionais. A novidade está disponível para os sistemas iOS, Android, Blackberry e Windows Phone.


Diário do Comércio - MG

24/07/2014

Belo Horizonte no foco do mundo

Aerotrópole é vista como meio de elevar a Capital à categoria de cidade internacionalizada

Daniela Maciel

A área da Aerotrópole abrange um raio de 25 km em torno do aeroporto de Confins

e tem 5 km em cada margem do rodoanel /Divulgação

A implantação da Aerotrópole Belo Horizonte em torno do Aeroporto Internacional Tancredo Neves (AITN), em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), é a grande estratégia do governo estadual para a atração de novos investimentos para a região e o fomento de um bom ambiente de negócios.

O turismo de negócios é apontado como uma das vocações econômicas da Capital. Empresários do setor enxergam na constituição da Aerotrópole a mola propulsora capaz de elevar, definitivamente, a Capital à categoria de cidade internacionalizada.

Dentro dessa perspectiva, foi apresentado ontem o projeto da Aerotrópole Belo Horizonte, no Hotel Lavras 150, no bairro São Pedro, região Centro-Sul, dentro do Encontro Empresarial, promovido pelo Belo Horizonte Convention & Visitors Bureau (BHC&VB), em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae Minas) e o Programa de Trabalho Integrado da Cadeia Produtiva do Turismo de Negócios e Eventos de BH. No mesmo evento foram apresentados também os resultados do Programa de Atração de Investimentos e Promoção Comercial de Belo Horizonte (Goal Belo), promovido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Secretaria Adjunta de Relações Internacionais de Belo Horizonte.

O projeto da Aerotrópole foi apresentado pelo superintendente da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Danilo Colares, que comemorou a oportunidade de falar para o trade turístico. "Já vai longe o tempo em que trabalhar em silêncio era uma coisa boa. Hoje precisamos dar visibilidade à cidade. Mesmo que os empresários mineiros não tenham pretensões de vender para fora, nós temos o interesse de que empresas de fora venham para cá. Por isso precisamos oferecer boa infraestrutura para atração de novos negócios", ressaltou Colares.

Modelo - O conceito de aerotrópole foi descrito na última década do século passado e, hoje, cerca de 80 estão em implantação em todo o mundo. O projeto do modelo mineiro teve início em 2003, quando em um diagnóstico econômico foi identificada a necessidade de diversificação do parque industrial, ampliando as oportunidades além da exportação de commodities.

"A aerotrópole é uma estratégia fruto de um planejamento de dez anos. No mundo todo, o desenvolvimento está ligado ao modal de transporte. O aeroporto é visto como um centro de negócios. As empresas querem estar perto do aeroporto por questão de logística. Precisamos nos adiantar e oferecer a infraestrutura antes da demanda. No nosso caso, temos a vantagem de ter a área do entorno do aeroporto livre, já tendo sido, inclusive, decretada como área de interesse público", avaliou o superintendente.

A área tem um raio de 25 quilômetros em torno do aeroporto e cinco quilômetros em cada margem do rodoanel. O objetivo é que seja possível o deslocamento de qualquer ponto da aerotrópole ao aeroporto em 35 minutos. Os primeiros empreendimentos já entregaram os projetos executivos e alguns, como os hotéis, já começaram a operar.


Mercado&Eventos

23/07 - 17:54

Copa Airlines inicia voos para Viracopos em dezembro

Por: Rafael Massadar

O voos da Copa Airlines serão diários

Em 2014 a Copa Airlines apresenta novidades para o mercado brasileiro, que inclui a ampliação de frequências entre Brasília e a Cidade do Panamá, com quatro voos semanais, em operação desde 9 de junho, totalizando 11 saídas semanais a partir da capital federal; a implantação do terceiro voo diário a partir do Rio de Janeiro, somando-se as duas frequências já existentes; e em dezembro, a companhia aérea inaugura seu primeiro voo entre a cidade de Campinas (SP) e o Centro de Conexões das Américas (Panamá), ampliando a presença no território brasileiro e estreitando laços com o interior paulista.

“A Copa Airlines iniciará no mês de dezembro a operações a partir do Aeroporto Internacional de Viracopos (Campinas), rumo ao Aeroporto Internacional de Tocumen (Cidade do Panamá). Os voos serão diários e garantirão uma maior proximidade do interior paulista com os principais centros de negócios e lazer das Américas”, disse o gerente regional da Copa Airlines para o Mercosul, Gustavo Esusy.

Ainda de acordo com o executivo, o mercado brasileiro é de grande importância para a companhia, pois apresenta grande potencial em pilares importantes como a infraestrutura, mão de obra e principalmente demanda de passageiros.

A companhia aérea também anunciou um novo destino para o final deste ano: Cayo Santa María, em Cuba. De acordo com presidente Executivo da companhia aérea, Pedro Heilbron, a Copa Airlines continua fortalecendo sua liderança na região e, a partir do Centro de Conexões das Américas no Panamá, oferece aos seus passageiros, nesses dois novos destinos a forma mais rápida e eficiente de se conectar com o resto do continente.

“A Copa Airlines tem demonstrado através dos anos sua vocação de oferecer aos seus passageiros um serviço de classe mundial, que lhes permita obter a mais eficiente conectividade em todas as suas viagens desde e para as Américas do Norte, Central, Sul e Caribe” informou Pedro Heilbron.


Mercado&Eventos

23/07 - 16:53

Azul e Copa Airlines assinam acordo de interline

Visando ampliar as conexões de seus clientes a outros destinos internacionais, a Azul Linhas Aéreas assinou um contrato de interline com a Copa Airlines. Este já é o segundo anúncio do tipo que a empresa faz em menos de um mês. A última parceira nomeada foi a Aerolíneas Argentinas, sob o mesmo regime.

Um acordo de interline entre empresas aéreas funciona em uma mão só. Nesse caso, não há possibilidades de que clientes da Azul possam acessar voos ofertados pela empresa parceira no outro país. Diferente do comum acordo de compartilhamento de voos, conhecido também como “codeshare”.

Dentro da estratégia da Azul Linhas Aéreas para ampliar o leque de escolhas de seus clientes por destinos internacionais, outras empresas de aviação além da Copa Airlines e da Aerolíneas Argentinas já foram incorporadas no sistema interline. Entre elas está a portuguesa TAP, a Etihad Airways, a United Airlines, a Air Europe, a Lufthansa e a Hahn Air.

A Companhia Panamenha de Aviação, Copa Airlines, é uma companhia aérea do Panamá, país da América Central. Sendo uma das principais empresas de aviação da América Latina, a companhia é subsidiária da Copa Holding e seu hub principal é a Cidade do Panamá. Com mais de 110 voos diários, a Copa Airlines alcança 45 destinos em 24 países, entre eles nações da América do Norte, América do Sul, América Central e Caribe.?

Informe Publicitário

 


Panrotas

23/7/2014 18:37:00

Alitalia oferecerá voos extras entre o Brasil e Roma

A companhia aérea Alitalia irá acrescentar algumas opções de voos extras nas ligações entre as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro com a capital italiana, Roma. Com isso, a empresa europeia passará a oferecer 17 voos semanais entre os dois países, sendo dez deles com origem no Aeroporto Internacional de Guarulhos, além de uma frequência diária a partir do Galeão.

Em São Paulo, onde já opera um voo diário com destino a Roma, a companhia acrescentará mais duas frequências semanais, com partidas aos domingos e sextas-feiras, entre 3 de agosto e 17 de outubro deste ano. No período entre 30 de outubro de 2014 e 28 de março de 2015, a Alitalia vai operar outros três voos extras, com saídas às terças, quintas e sábados. As operações serão realizadas a bordo de Boeings 777 com capacidade para 293 passageiros.

A partir do Rio de Janeiro, a aérea italiana irá operar mais um voo, completando sete frequências semanais. A operação será realizada entre os dias 30 de outubro de 2014 e 28 de março de 2015 e as saídas estão programadas para todas as quartas-feiras. O voo ligando Rio e Roma será a bordo de aeronaves Airbus 330, com capacidade para 248 passageiros.

Rafael Carreira

 


Portal iG

23/07/2014 - 13h02

Assista ao show de apresentação do Boeing 787-9

Vídeos da internet

Preparando o 787-9 Dreamliner , a equipe de especialistas da Boeing ensaia o programa de voo para o 2014 Farnborough Airshow. Assista aqui!

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS