AeroClippi?ng, quinta-fei?ra, 31/07/14 - ano XII - nº 223

Fonte
  • Menor Pequena Medium Grande Maior
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times

O Estado de S.Paulo

20% dos voos do País devem ter subsídio

Avião da Air Algérie levou apenas cerca de 3 minutos para cair, diz rádio

Alitalia apresentará proposta final para Etihad na quinta-feira

Boeing vê maior procura por pilotos conforme crescem entregas de jatos

Folha de São Paulo

Conflito dificulta acesso a local de queda de avião

Aécio admite ter usado aeroporto de Cláudio e ter cometido um 'equívoco'

Avianca quer entrar em programa de subsídios para aviação regional

Aeroportos se multiplicam na Ásia para receberem "boom" turístico

O Globo

Aeroportos cubanos receberão US$ 150 milhões do BNDES

Companhia aérea britânica é processada por suspeita de pedofilia

G1

Embraer reverte prejuízo e tem lucro de R$ 319,8 milhões no 2º trimestre

Leiloado, avião da Vasp continua ocupando Aeroporto de São Luís

Para evitar urubus, MPF quer fim de lixões perto do novo aeroporto do RN

Técnicos avaliam construção de aeroporto em Nova Friburgo, no RJ

Valor Econômico

Programa para aviação regional reaviva subsídios

Folha de Pernambuco

TAM inicia voo direto entre João Pessoa e Salvador a partir de sexta-feira

Estado de Minas

Movimento no Aeroporto de Guaruhos cresceu 12,9%

O Tempo - MG

Acidentes aéreos reabrem feridas em famílias vitimadas no Brasil

Diário do Comércio - MG

Aeroportos de Minas terão R$ 815 milhões

A Tarde - BA

Lucro da Bombardier cai para US$ 155 mi no 2º trimestre

Em Tempo - AM

Brasil tem novo piso de qualidade em serviços de aviação

Tribuna Hoje - AL

Aviação: Brasil já tem capacidade para 70 milhões de passageiros por ano

Jornal de Turismo

TAM aumenta oferta de voos diretos entre RJ e JPA

Mercado&Eventos

Companhias Aéreas buscam melhorar o bem estar das crianças

Air France passa a operar no novo Terminal 3 do GRU Airport no dia 2

Panrotas

Gol faz primeiro voo internacional com biocombustível

Aeroportos do interior de São Paulo receberão melhorias

Voos da América Latina para Brasil crescem 20% na Copa

Aeroviários da Air France marcam greve para sábado (2)

RN luta para reduzir alíquota de combustível da aviação


O Estado de S.Paulo

Quinta-feira, 31 de julho de 2014

20% dos voos do País devem ter subsídio

Programa do governo que incentiva a aviação regional vai beneficiar principalmente a Azul

Marina Gazzoni

Cerca de 20% das rotas operadas atualmente pelas companhias aéreas brasileiras poderão receber subsídios do plano de aviação regional, segundo levantamento feito pelo ‘Estado’ com base em dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A Azul deve receber mais da metade do valor destinado ao subsídio de rotas existentes e ser a companhia mais beneficiada.

O governo publicou na segunda-feira uma medida provisória que autoriza a União a transferir recursos a empresas para a realização de voos regionais. Segundo o texto, poderão ser contemplados voos com origem ou destino em aeroportos de pequeno ou médio porte. A Secretaria de Aviação Civil (SAC) considera como regionais aeroportos com movimentação anual de até 800 mil passageiros por ano – há 122 aeroportos com essas características no País, de acordo com a Anac.

Dos 18,9 mil voos semanais nacionais, 3.740 chegam ou partem desses aeroportos e podem receber subsídio, aponta levantamento feito pelo Estado com base na malha aérea vigente. A estimativa da SAC é transferir R$ 1 bilhão às empresas ao ano.

A Azul é a empresa que voa para o maior número de cidades brasileiras, com mais de 100 destinos atendidos.A companhia tem 36% dos seus voos enquadrados no programa de estímulo ao setor, segundo o levantamento. Com o incentivo do governo, a Azul planeja comprar novos aviões e ampliar o número de destinos atendidos, disse anteontem o presidente da Azul, Antonoaldo Neves.

As líderes no mercado brasileiro TAM e Gol voam com aviões maiores e são focadas em rotas entre cidades grandes. Mas alguns de seus destinos atuais, como Maringá (PR), São José do Rio Preto (SP) e Santarém (PA), têm movimento inferior a 800 mil passageiros por ano. A Gol tem 11,8% dos seus voos em aeroportos regionais e deve receber cerca de 19% do subsídio pago aos voos existentes. Já a TAM tem cerca de 7% das suas rotas enquadradas no programa e deve receber quase 10% do valor. O programa também pode beneficiar empresas menores, como Passaredo, Sete e MAP, que têm, respectivamente, 49%, 90% e 100% dos voos em aeroportos pequenos.

Para o professor Elones Ribeiro, diretor da faculdade de Ciências Aeronáuticas da PUC-RS,o plano pode trazer novas empresas ao setor. “Antigamentemuitas empresas faziam voo regional por que havia subsídio. Acho que o plano pode estimular o surgimento de novas empresas.”

/COLABOROU NAYARA FRAGA


O Estado de S.Paulo

30 Julho 2014 | 12h 47

Avião da Air Algérie levou apenas cerca de 3 minutos para cair, diz rádio

Mau tempo foi principal causa do acidente, segundo autoridades francesas

REUTERS

O avião da Air Algérie que caiu no Mali na semana passada parece ter despencado de uma altitude de 10 mil metros em apenas poucos minutos após entrar em uma tempestade, disse uma autoridade de alto escalão envolvida nas investigação, de acordo com uma rádio francesa.

Autoridades francesas disseram acreditar que o mau tempo foi a principal causa do acidente, em que todas as 118 pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes, morreram. A aeronave McDonnell Douglas MD-83 se chocou contra o solo ao sul da cidade de Gossi, perto da fronteira entre o Mali e Burkina Fasso.

AFP PHOTO/SIA KAMBOU

Investigadores buscam evidências em local onde avião da Air Algerie caiu, no Mali

Os pilotos do avião, que saiu de Ugadugu, capital de Burkina Fasso, para Argel nas primeiras horas da última quinta-feira, pediram permissão para alterar sua rota devido ao mau tempo encontrado na direção norte.

O general Gilbert Diendre, diretor do departamento de crises de Burkina Fasso, disse que os dados do radar mostraram que o avião pareceu tentar contornar o mau tempo antes de retornar ao seu curso inicial, o que o levou de volta ao centro da tempestade.

"Talvez o piloto tenha pensado que tinha evitado completamente a tempestade e quisesse retornar à rota original", disse Diendere, de acordo com o site da rádio francesa RFI. "O acidente ocorreu enquanto o avião fazia essa manobra."

Diendere disse que o último contato feito com o avião, a uma altitude de 10 mil metros, foi à 1h47 GMT (22h47 no horário de Brasília) e que o acidente ocorreu à 1h50 GMT, segundo relatos de testemunhas.

"Isso significa que (o avião) caiu de uma altitude de 10 mil metros a zero em cerca de três minutos, o que é uma queda abrupta dado o tamanho do avião", acrescentou ele.

As autoridades francesas não descartaram qualquer explicação para o acidente, mas acreditam que as más condições do tempo tenham contribuído para o desastre. Entre os passageiros estavam 54 cidadãos franceses.

As duas caixas-pretas do avião foram encontradas e levadas para a França, onde estão sendo examinadas por especialistas. Os resultados devem ser divulgados nas próximas semanas.

A França anunciou três dias de luto, iniciados na segunda-feira.

(Texto de David Lewis)

 


O Estado de S.Paulo

30 Julho 2014 | 11h 12

Alitalia apresentará proposta final para Etihad na quinta-feira

Proposta é um esforço para garantir um investimento pela companhia aérea de Abu Dhabi

REUTERS

Christian Veron/Reuters

Após sete meses de conversas sobre uma aliança, o presidente-executivo da

Etihad disse no começo de junho que espera concluir o acordo neste mês

A companhia aérea italiana deficitária Alitalia está trabalhando em uma proposta final para apresentar à Etihad na quinta-feira, em um esforço para garantir um investimento pela companhia aérea de Abu Dhabi, disse nesta quarta-feira uma pessoa próxima aos acionistas da Alitalia.

Destacando a necessidade do governo de fechar um acordo, o ministro dos Transportes, o chefe de Gabinete do primeiro-ministro, a administração sênior da Alitalia e grandes acionistas, incluindo o banco UniCredit, se reuniram para discutir a questão nesta quarta-feira no gabinete do primeiro-ministro, em Roma.

"Foi feito um avanço, agora estamos trabalhando para preparar uma resposta que a Alitalia dará à Etihad amanhã", disse a pessoa próxima aos acionistas da companhia aérea após a reunião.

Os planos da Etihad de tomar uma fatia de 49 por cento na Alitalia, que gerou lucro apenas algumas vezes em seus 68 anos de história, têm sido impedidos por divergências sobre a pilha de 800 milhões de euros (1,07 bilhão de dólares) em dívidas da Alitalia, e os planos para cortes de empregos têm provocado uma revolta entre sindicatos italianos.

Após sete meses de conversas sobre uma aliança, o presidente-executivo da Etihad disse no começo de junho que espera concluir o acordo neste mês, mas que o prazo pode ser ampliado caso seja necessário.

(Por Stefano Bernabei)

 


O Estado de S.Paulo

30 Julho 2014 | 10h 49

Boeing vê maior procura por pilotos conforme crescem entregas de jatos

Fabricante de aviões prevê que também serão necessários 584 mil técnicos até 2033, uma elevação de 5% ante a projeção anterior

REUTERS

Saul Loeb/AFP

A Boeing disse que as companhias aéreas devem pedir 36.800 novos

aviões nos próximos 20 anos

A Boeing elevou em 7 por cento sua projeção para a demanda global por pilotos de aeronaves comerciais, para 533 mil profissionais nos próximos 20 anos, citando o crescimento das entregas de aeronaves e a demanda sustentada na Ásia-Pacífico.

A fabricante de aviões também fez uma previsão de que serão necessários 584 mil técnicos nos 20 anos até 2033, uma elevação de 5 por cento ante a projeção do ano anterior.

Isso se traduz na necessidade de 27 mil novos pilotos e 29 mil novos técnicos por ano, disse a fabricante de aeronaves em seu relatório anual "Projeção para Pilotos e Técnicos".

A região da Ásia-Pacífico será responsável por 216 mil destes pilotos, ou 41 por cento do total.

Em junho, a Boeing disse que as companhias aéreas devem pedir 36.800 novos aviões, valendo 5,2 trilhões de dólares, durante os próximos 20 anos. A companhia deve atender a maior parte desta demanda junto à sua rival europeia Airbus.

A região da Ásia-Pacífico deve receber a entrega de 13.460 novas aeronaves durante os próximos 20 anos, refletindo a posição da região tanto como o mercado que cresce mais rapidamente quanto como o maior mercado para transporte aéreo.

A Europa segue a Ásia-Pacífico com uma demanda por 94 mil pilotos, e as companhias aéreas da América do Norte vão precisar de 88 mil pilotos durante o período de 20 anos, segundo o relatório.

Para o Oriente Médio, a Boeing estima uma demanda por 55 mil pilotos e 62 mil técnicos.

(Por Siva Govindasamy)

 


Folha de São Paulo

Quinta-feira, 31 de julho de 2014

Conflito dificulta acesso a local de queda de avião

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Os combates intensos entre o Exército da Ucrânia e separatistas pró-Rússia desta quarta-feira (30) impediram que inspetores internacionais tivessem acesso ao local da queda do avião da Malaysia Airlines, no leste do país.

A aeronave seguia de Amsterdã para Kuala Lumpur e caiu na região de Donetsk com 298 passageiros. A Ucrânia e países ocidentais acusam separatistas pró-Rússia pela queda, no último dia 17.

Segundo o chefe da missão holandesa, Pieter-Jaap Aalbersberg, eles tentaram ir de Donetsk à região onde estão os destroços, mas voltaram atrás devido a um tiroteio.

"Infelizmente não esperamos que a situação melhore nos próximos dias. O combate é muito intenso e impede que nosso grupo viaje pela região", disse.

Este é o terceiro dia em que a missão tenta chegar ao local do acidente, onde pretende investigar as causas da tragédia e recuperar os corpos de mais de 90 passageiros.

A missão chega ao país no melhor momento para as forças ucranianas desde o início do conflito com os separatistas de Donetsk, em março.

Segundo as autoridades de Kiev, mais de 60 cidades do leste ucraniano que eram dominadas pelos separatistas foram retomadas pelo governo na ofensiva.

O governo ucraniano anunciou que a ofensiva vai continuar e acusou os rebeldes de serem o principal obstáculo para os inspetores.

"Eles acumularam artilharia pesada e minaram os acessos a esse território", disse o porta-voz de Segurança Nacional, Andriy Lysenko.

Os separatistas pró-Rússia acusaram Kiev de impedir o trabalho no local do acidente, já que, devido à ofensiva do Exército, eles foram obrigados a dar atenção à defesa do território conquistado.

Em nota, a Chancelaria russa voltou a acusar os Estados Unidos e a Ucrânia de alimentar a violência na área.


Folha de São Paulo

30/07/2014 20h02

Aécio admite ter usado aeroporto de Cláudio e ter cometido um 'equívoco'

GABRIELA GUERREIRO

DE BRASÍLIA

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, admitiu nesta quarta-feira (30) que usou o aeroporto de Cláudio (MG) para pousar em um avião de sua família umas "três ou quatro vezes" nos últimos anos, mesmo sem o espaço ser homologado pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Depois de se recusar por 10 dias a responder se teria utilizado o aeroporto, Aécio disse que os pousos e decolagens ocorreram quando não era mais governador do Estado –depois de 2010.

"Eu já utilizei [o local] várias vezes antes dessa pista ser asfaltada nos últimos 30 anos, desde a minha juventude. Ele era usado por empresários, fazendeiros, pessoas da região. Depois da conclusão da obra, quando não era mais governador do Estado, usei algumas poucas vezes, pousei ali algumas poucas vezes em avião da minha família", afirmou.

A Folha revelou no dia 20 de julho que o governo de Minas gastou quase R$ 14 milhões na construção do aeroporto, que ficou pronto em outubro de 2010 e é administrado por familiares de Aécio. O tio-avô do tucano, Múcio Guimarães Tolentino, guarda as chaves do aeroporto.

Antes da construção do aeródromo, havia no local uma pista de pouso mais simples, de terra, construída em 1983, quando Tancredo Neves, avô de Aécio, era governador de Minas.

O candidato disse ter cometido o "equívoco" de utilizar uma pista não homologada pela Anac, mas afirmou não ter conhecimento de que o aeroporto não tinha autorização legal para operar.

"Eu admito uma culpa: eu devia ter buscado mais informações sobre isso. Mas é preciso que a Anac trabalhe. A pista está há três anos sem homologação, é investimento público feito e, obviamente, sendo usada de forma inadequada."

O candidato negou ter escolhido o local do aeroporto com o objetivo de beneficiar seus familiares, já que a pista fica na fazenda de Tolentino. O senador, sua mãe e suas irmãs também são donas da Fazenda da Mata, a 6 km do aeroporto. Segundo Aécio, a região é um pólo industrial de exportação de ferro, por isso o aeroporto era necessário para alavancar a economia da região.

"Eu teria duas alternativas: ignorar demanda de crescimento dessa região ou ter feito numa outra área de região montanhosa. Ali foi, na nossa avaliação, o terreno mais adequado. Talvez se a área não fosse de parente meu, não seria essa celeuma. Apesar do fato relevante ser o de ele [Tolentino] estar hoje sem receber nada e pleiteando do Estado uma indenização muito maior", disse em referência ao fato do governo de Minas ter desapropriado a área antes da licitação do aeroporto.

O impasse sobre a desapropriação está na Justiça porque o Estado fez um depósito judicial de mais de R$ 1 milhão pelo terreno, mas o tio de Aécio contesta o valor. Segundo o senador, isso é prova de que não havia "interesses familiares" na construção do aeroporto.

"A obra foi legal, necessária do ponto de vista econômico e não beneficiou absolutamente ninguém da minha família. Ao contrário, não estaria o antigo proprietário na Justiça reivindicando um valor nove vezes maior do que aquele que o Estado ofereceu", afirmou.

Sobre o fato de Tolentino ter as chaves do aeroporto, Aécio disse que se sente "incomodado", mas responsabilizou a Prefeitura de Cláudio (MG) pelo fato. "Eu soube que 6 ou 7 pessoas tinham a chave, gente que voava. É responsabilidade da Prefeitura que o prefeito assume e tem que coordenar. Se eles entregam a chave para 4, 5 ou 6 é um erro, muito mais ainda por ser um parente meu."

Lucas Ferraz/Folhapress

Aeroporto de Claudio, construído pelo governo de Minas dentro de fazenda

do tio-avó de Aécio Neves

MONTEZUMA

Aécio disse que o avião da família utilizado nos pousos e decolagens em Cláudio era de Gilberto Faria, que foi marido de sua mãe. O tucano nega ter utilizado avião oficial no local, assim como no aeroporto da cidade de Montezuma –onde admite ter pousado uma vez quando era governador.

"Eu desci lá uma vez, há cerca de dez anos atrás, pouco mais de 10 anos. Eu era governador, mas desci da mesma forma, não em avião do Estado."

O aeródromo de Montezuma, cuja pista foi pavimentada pelo governo de Minas em 2007, quando Aécio era governador, até hoje existe sem registro na Anac –o que impede que seja utilizado pelo público.

O tucano criticou a Anac ao afirmar que a agência deveria "trabalhar" para homologar pistas no interior que precisam de autorização formal para serem homologadas. "É preciso que a Anac trabalhe. A pista está há três anos sem homologação, é investimento público feito e, obviamente, sendo usada de forma inadequada."


Folha de São Paulo

30/07/2014 17h55

Avianca quer entrar em programa de subsídios para aviação regional

DIMMI AMORA

DE BRASÍLIA

O presidente da Avianca, José Efromovich, quarta maior empresa aérea do pais, disse nesta quarta-feira (30) em Brasília que a empresa pretende entrar no programa de subsídios para a aviação regional, anunciado esta semana pelo governo.

Pelo programa, as empresas e passageiros vão deixar de pagar tarifas para usar aeroportos de até 800 mil passageiros por ano. E, além disso, parte das passagens aéreas serão pagas pelo governo federal em percentuais ainda não divulgados.

Segundo ele, a Avianca já atende cinco cidades que estariam dentro do projeto do governo. Segundo ele, a ideia é aumentar a frequência para essas cidades e em seguida ampliar a malha. Porém, o presidente da empresa disse que ainda não é possível precisar quanto será necessário de investimento.

"Obviamente vamos ter que acrescentar estrutura tanto de pessoas como de aeronaves. Mas quantas? Estamos montando equipe agora", disse Eframovich, dando um prazo de três semanas para ter os primeiros estudos.

CONGONHAS

Efromovich, que compareceu a uma cerimônia da Secretaria de Aviação Civil para homenagear servidores que ajudaram na operação da Copa de 2014, voltou a criticar o modelo que o governo apresentou para a redistribuição dos slots no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

Nesse aeroporto, as companhias GOL e TAM têm praticamente 95% dos horários de pousos e decolagem e a intenção do governo é reduzir essa proporção.

Segundo ele, a fórmula nova beneficia mais quem tem mais participação no mercado do que quem é mais eficiente na operação.

"Você tem que dar para quem não tem mercado", reclamou o presidente pedindo que o critério fosse apenas de eficiência na operação. "Concorrer de igual para igual é o que nós queremos".


Folha de São Paulo

30/07/2014 12h01

Aeroportos se multiplicam na Ásia para receberem "boom" turístico

DA AFP

O crescimento turístico da Ásia está levando os países do continente a construir a toda velocidade centenas de aeroportos para diminuir longas filas e os atrasos de voos.

Na China e na Índia, além de Filipinas e Indonésia, a classe média em expansão viaja cada vez mais e se junta aos turistas habituais da região Ásia-Pacífico, como os europeus, por exemplo.

Com isso, para absorver a crescente demanda, as companhias aéreas criaram subsidiárias de baixo custo e novos corredores de voos, mas muitos aeroportos têm sido sobrecarregados, obrigando os governos a ampliá-los ou construir novos.

"Nos próximos dez anos, irão surgir 350 novos aeroportos na região, com investimentos muito superiores a US$ 100 milhões", afirmou Chris de Lavigne, vice-presidente da Business Consultancy Frost & Sullivan Asia Pacific.

"A China irá construir mais de 100 aeroportos, a Índia mais de 60 e a Indonésia também deverá investir sua infraestrutura", diz o analista. Segundo ele, apenas a modernização dos aeroportos já existentes poderia custar cerca de US$ 25 milhões.

Noel Celis/AFP

Passageiros chegam ao aeroporto internacional de Manila, nas Filipinas

O número de turistas internacionais aumenta em um ritmo de 6% ao ano na região Ásia-Pacífico. Em 2013, alcançou 248 milhões de pessoas, número maior do que todas as regiões do mundo, segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT).

Um arquipélago de 17 mil pequenas ilhas de grande atrativo turístico, localizado na Indonésia, prevê construir 62 novos aeroportos nos próximos cinco anos, de acordo com o Conselho Internacional de Aeroportos (CIA), baseado no Canadá. O aeroporto internacional de Soekarno-Hatta de Jacarta, capital do país, está sendo ampliado.

No ano passado, o local recebeu 60 milhões de passageiros, o triplo de sua capacidade inicial, segundo a CIA.

Na Malásia, o aeroporto de Kuala Lumpur prevê dobrar a capacidade de 100 milhões de passageiros até 2020, enquanto Hong Kong tem a meta de atingir 97 milhões de passageiros em 2030, ante 60 milhões em 2013.

Pequim, que já dispõe de um aeroporto internacional para 80 milhões de passageiros ao ano, está construindo um segundo local, avaliado em US$ 11 milhões de dólares a fim de acomodar 40 milhões de passageiros em 2018, segundo o Centro para a Aviação, localizado em Sydney, na Austrália.

Já nas Filipinas, o governo estuda substituir o aeroporto de Ninoy Aquino, conhecido por ser um dos mais saturados, com equipamentos antigos. Mesmo o aeroporto de Singapura-Changi, considerado como um dos melhores do mundo, investiu US$ 1 milhão em um quarto terminal, cuja abertura está prevista para 2017.

A reforma permitirá aumentar sua capacidade atual de 54 milhões de passageiros para 82 milhões. Além disso, já há um estudo para construir um quinto terminal.

Porém, em muitos países, as infraestruturas aeroportuárias têm muito atraso quanto ao ritmo de crescimento do número de turistas, observa Shukor Yusof, especialista da Endau Analytics, na Malásia.

"Muitos governos prestaram pouca atenção no desenvolvimento de novos terminais e pistas e, por isso, muitos aeroportos estão saturados hoje", afirma.

Em outros casos, os aeroportos não estão concentrados em absorver mais voos, mas sim tornam-se grandes "aeroparques", ou seja, é quase uma cidade.

"Algumas pessoas não vêm para o aeroporto para pegar um avião, mas sim para comprar ou realizar atividades de lazer. Isto é uma tendência que começou no Ocidente e está em expansão na Ásia", conclui De Lavigne.


O Globo

Quinta-feira 31.7.2014

Aeroportos cubanos receberão US$ 150 milhões do BNDES

Financiamento é para que a Odebrecht faça a modernização dos terminais

HENRIQUE GOMES BATISTA

henrique.batista@oglobo.com.br

TY WRIGHT/BLOOMBERG/31-05-2012

Antigo. Fachada do Aeroporto de Havana, cuja defasagem afeta o turismo,

fonte de US$ 1,8 bilhão ao país em 2013

O BNDES aprovou um financiamento para a modernização de aeroportos cubanos, que será feita pela Construtora Odebrecht. Embora o banco não forneça o valor, a data de aprovação e quais aeroportos serão beneficiados, fontes do negócio confirmam que serão destinados US$ 150 milhões (cerca de R$ 336 milhões) e que o acordo foi fechado há cerca de 30 dias. O banco confirma, apenas, que o financiamento está em fase de contratação. É provável, segundo fontes do mercado, que os valores comecem a ser liberados ainda neste ano.

O financiamento para a melhoria dos aeroportos cubanos está dentro da linha de exportações brasileiras de bens e serviços de engenharia. O banco afirma que isso é uma tendência internacional e que beneficia empresas brasileiras, com o BNDES auxiliando a competitividade das companhias nacionais. “Os desembolsos de recursos são efetuados em reais, no Brasil, diretamente ao exportador brasileiro, com base nas exportações efetivamente realizadas e comprovadas”, informou o banco.

LINHA JÁ HAVIA SIDO USADA COM PORTO

O modelo de financiamento aprovado pelo BNDES é o mesmo utilizado pelo banco para que a Odebrecht modernizasse o porto de Mariel, também em Cuba. Na época, o financiamento foi de US$ 802 milhões (cerca de R$ 1,796 bilhão pelo câmbio atual). A primeira parte do dinheiro foi liberada em 2009. Em sua recente visita à ilha, em janeiro, a presidente Dilma Rousseff anunciou outro financiamento de US$ 290 milhões (cerca de R$ 650 milhões) para a criação de uma área especial industrial junto ao porto. Na ocasião, a presidente lembrou que esse tipo de operação beneficia empresas brasileiras, é estratégico e gera uma relação “ganha-ganha”, lembrando que esse financiamento não significa que o país não está investindo em portos no Brasil. O BNDES não informou o valor total dos financiamentos em empreendimentos de empresas brasileiras em Cuba.

O governo brasileiro também está apoiando a construção de um grande porto no Uruguai, que poderá, até, concorrer com terminais do Sul do Brasil, conforme noticiou O GLOBO em maio. Embora esse apoio ainda esteja em fase inicial, a operação pode significar mais um empréstimo do BNDES para alguma construtora brasileira, e, segundo fontes, o valor do negócio pode chegar a US$ 1 bilhão (R$ 2,24 bilhões). No momento, o Brasil está apoiando o país vizinho com informações técnicas, mas operadores portuários brasileiros reclamam dessa parceria, por se tratar de um concorrente direto dos portos brasileiros, que terá uma capacidade maior e menos custos burocráticos.

A Odebrecht confirma as negociações para o Projeto de Ampliação e Modernização da Infraestrutura Aeroportuária de Cuba, mas a empresa não conseguiu, até o fechamento desta edição, informar detalhes do projeto e quando as obras devem começar. A empresa divide a liderança no ranking de financiamento do BNDES nessa modalidade de crédito com a Embraer desde 2009. Em 2013, a construtora obteve financiamentos que somam US$ 908 milhões, abaixo do US$ 1,072 bilhão da Embraer, sendo que esta linha somou, no total, US$ 2,5 bilhões. No primeiro trimestre de 2014, dos US$ 367,2 milhões liberados nesse tipo de financiamento, a Odebrecht recebeu US$ 153 milhões, contra US$ 142 milhões da fabricante de aviões.

TURISMO É FONTE DE RECEITA IMPORTANTE

A reforma dos aeroportos cubanos é importante para a economia combalida do país. No ano passado, o setor gerou US$ 1,8 bilhão (R$ 4 bilhões) para a ilha de 11 milhões de habitantes. No total, entraram no país 2,851 milhões de turistas, número 0,5% acima do registrado no ano anterior, mas ainda distante da meta de 3 milhões de turistas por ano. Os canadenses são o principal grupo de turistas do país — com mais de um milhão de viajantes — , seguidos de residentes do Reino Unido, Alemanha, França, Argentina, Itália, México, Espanha, Rússia e Venezuela.?


O Globo

30/07/2014 14:48

Companhia aérea britânica é processada por suspeita de pedofilia

Ex-piloto da British Airways, morto no ano passado, é acusado de abusar de 16 adolescentes

POR O GLOBO

COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

A mãe de duas das meninas que teriam sido abusadas pelo piloto,

em frente a um hotel no Quênia - Sayyid Azim / AP

Read more: http://oglobo.globo.com/mundo/companhia-aerea-britanica-processada-por-suspeita-de-pedofilia-13431678#ixzz392iJo7s9

NAIRÓBI — Um escritório de advocacia de Londres anunciou nesta quarta-feira que iniciou um processo judicial contra a empresa área inglesa British Airways. Um dos pilotos da companhia é acusado de ter abusado sexualmente de 16 adolescentes do Quênia, da Uganda e da Tanzânia. De acordo o advogado Nichola Marshall, do escritório Leigh Day, o piloto Simon Wood, de 54 anos e que agora está morto, teria abusado das jovens, que têm entre 8 e 20 anos, durante as escalas que fazia nos países africanos e também por conta de sua proximidade com o trabalho comunitário da empresa.

— Todos os orfanatos e escolas que cuidavam de nossas clientes receberam doações de caridade da companhia aérea e Wood teve um papel-chave na administração desses donativos, em nome da British Airways — disse Marshall, em um comunicado.

A companhia se manifestou dizendo estar em choque e horrorizada com as acusações. Segundo a empresa, os abusos parecem estar relacionados com as atividades de Wood “totalmente fora de seu âmbito de trabalho na British Airways”.

— É decepcionante que a conduta de uma pessoa tenha causado tanto sofrimento a milhares de pessoas decentes que se dedicam às obras de caridade de maneira correta — disse a empresa, que também prestou condolências às vítimas.

Wood foi atropelado por um trem e morreu duas semanas antes da data em que deveria comparecer à Justiça, em agosto do ano passado. Segundo o comunicado, o piloto já enfrentava um processo de abuso sexual contra uma jovem de 16 anos e deveria responder também por possuir e promover pornografia infantil. Uma investigação sobre sua morte começou na quarta-feira, informou o escritório de advocacia inglês.


G1

31/07/2014 07h53

Embraer reverte prejuízo e tem lucro de R$ 319,8 milhões no 2º trimestre

No semestre, lucro teve alta de cerca de 1.000%, para R$ 578,5 milhões.

Empresa entregou 58 aeronaves entre abril e junho.

Do G1, em São Paulo

Aeronave Embraer em São José dos Campos (SP)

(Foto: Reprodução/TV Vanguarda)

A Embraer teve lucro líquido atribuído aos acionistas de R$ 319,8 milhões no segundo trimestre, revertendo prejuízo de R$ 9,9 milhões no mesmo período de 2013. O resultado da terceira maior fabricante de aeronaves comerciais do mundo também teve ganho, de 23,6%, frente ao trimestre anterior.

No semestre, o lucro da companhia ficou em R$ 578,5 milhões – um ganho de cerca de 1000% sobre o lucro de R$ 51,8 milhões no primeiro semestre de 2013.

A receita líquida atingiu R$ 3,93 trilhões no segundo trimestre, uma alta de 21% frente ao mesmo período de 2013. Nos seis primeiros meses do ano, a receita líquida ficou em R$ 6,86 bilhões, alta de 27% sobre os mesmos seis meses do ano passado.

Aeronaves

De abril a junho, a Embraer entregou 29 aeronaves comerciais e 29 executivas. A carteira de pedidos firmes fechou o trimestre em US$ 18,1 bilhões, segundo a companhia.

No semestre, foram entregues 43 aeronaves comerciais e 49 executivas (39 jatos leves e 10 jatos grandes), comparado com 39 aeronaves comerciais e 41 executivas (31 jatos leves e 10 jatos grandes) no mesmo período de 2013.


G1

31/07/2014 07h19

Leiloado, avião da Vasp continua ocupando Aeroporto de São Luís

Boeing foi arrematado por R$ 60.500,00 há seis meses.

Retirada da aeronave é de responsabilidade do arrematante.

Do G1 MA

Leiloado, avião da Vasp continua no Aeroporto de São Luís

(Foto: Biné Morais / O Estado)

Um dos últimos aviões que restaram da antiga Vasp continua ocupando espaço no Aeroporto Internacional Marechal Cunha Machado, em São Luís. A aeronave modelo boeing 737-200, prefixo PPSFG, já foi arrematada em leilão realizado pelo Programa Espaço Livre do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), mas nunca foi retirada pelo arrematante. A informação foi publicada nesta quinta-feira (31) pelo Jornal O Estado do Maranhão.

De acordo com informações do escritório de advocacia que administra a massa falida da Vasp, a aeronave avaliada em R$ 40 mil foi arrematada há seis meses, em leilão realizado no dia 30 de janeiro deste ano. O valor do lance vencedor foi de R$ 60.500,00.

Agora, a retirada do boeing do aeroporto ludovicense é de responsabilidade do arrematante, identificado como Gerson dos Santos Almeida Júnior, segundo o jornal.

Ao G1, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) disse que os questionamentos sobre o avião deveriam ser direcionados ao CNJ, que seria responsável pela condução dos processos de leilões das aeronaves. Já Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) comunicou que atua na vistoria das aeronaves e que informações sobre procedimentos de remoção seriam de responsabilidade do CNJ.

O CNJ, por sua vez, confirmou que os todos aviões da Vasp localizados em aeroportos brasileiros já foram leiloados e arrematados a partir do Programa Espaço Livre e recomendou contato com a 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), que seria responsável pelos leilões.

O TJ-SP informou que somente a administração da massa falida está autorizada a repassar informações sobre o caso.


G1

30/07/2014 15h46

Para evitar urubus, MPF quer fim de lixões perto do novo aeroporto do RN

Despejo de resíduos atrai aves que podem provocar acidentes aéreos.

MPF oficiou Anac, Inframérica e Prefeitura cobrando ações.

Do G1 RN

Novo aeroporto do RN começou a funcionar neste sábado (31)

(Foto: Canindé Soares)

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte (MPF/RN) emitiu ofícios para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Consórcio Inframérica e Prefeitura de São Gonçalo do Amarante cobrando ações que deem fim a lixões próximos ao Aeroporto Internacional Governador Aluízio Alves. Segundo o MFP, o despejo irregular de resíduos vem atraindo aves, sobretudo urubus, cuja presença coloca em risco a segurança dos voos. O novo aeroporto do RN entrou em operação no dia 31 de maio deste ano.

A procuradora da república Clarisier Azevedo determinou o desmembramento do inquérito civil público que vinha acompanhando as ações destinadas a identificar e resolver os problemas causados pelos focos atrativos de aves, nas proximidades dos dois aeroportos da Grande Natal, o de São Gonçalo do Amarante e o de Parnamirim. Agora irá tramitar no Ministério Público Federal um procedimento específico para cada aeroporto.

Em relação ao de São Gonçalo do Amarante, o MPF enviou à Anac ofício contendo fotos e reportagens que constatam a presença de urubus dentro da Área de Segurança Aérea (ASA). A procuradora solicitou da agência que prepare um relatório de identificação de risco aviário, documento que poderá embasar as ações necessárias a garantir a segurança do espaço aéreo na região.

Do consórcio responsável pela gestão do aeroporto, a Inframérica, o Ministério Público Federal requer o cumprimento das normas estabelecidas no Regulamento Brasileiro de Aviação Civil, que prevê: “ao tomar conhecimento da existência de foco atrativo ou com potencial atrativo de fauna na ASA, em área externa ao sítio aeroportuário, o operador do aeródromo deverá informar à administração municipal/distrital responsável, além dos demais órgãos considerados pertinentes pela legislação em vigor, para a mitigação do risco de fauna”.

Já da Prefeitura Municipal de São Gonçalo do Amarante, o ofício enviado cobra o cumprimento das medidas recomendadas em fevereiro pelo MPF, dentre as quais a limpeza contínua da área conhecida como “lixão do Guajiru” e as ações para identificar os responsáveis pelo despejo irregular de resíduos no local e exigir dos proprietários o cercamento dos terrenos onde o lixo vem sendo deixado.

No que diz respeito ao Aeroporto Internacional Augusto Severo, a procuradora solicitará da Base Aérea de Natal informações sobre a operação do terminal e a identificação atualizada das “ocorrências de perigo aviário”. Aves que sobrevoam áreas de pouso e decolagem podem se chocar contra as turbinas e a fuselagem dos aviões, causando acidentes.

A Infraero informou que, em novembro de 2013, houve uma colisão em Salvador de uma ave com um avião Tucano, no qual o instrutor ficou desacordado e a aeronave teria caído, se não houvesse outro piloto a bordo.


G1

30/07/2014 14h57

Técnicos avaliam construção de aeroporto em Nova Friburgo, no RJ

Segundo avaliação, construção de aeroporto é viável.

Pista de pouso e decolagem terá até 1,4 mil quilômetros.

Do G1 Região Serrana

Especialistas e técnicos de uma empresa contratada pelo Banco do Brasil sobrevoaram e fizeram simulações de pouso e decolagem em Conquista, distrito na zona rural de Nova Friburgo, Região Serrana do Rio, nesta terça-feira (30) e aprovaram o local para a instalação de um aeroporto regional de médio porte. O terreno escolhido fica entre a Ceasa e o Barracão dos Mendes, às margens da Estrada de São Lourenço.

Há dois meses, engenheiros e outros profissionais já haviam vistoriado a área e também aprovaram o local. O estudo técnico será repassado para a Secretaria Nacional de Aviação Civil e para o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea).

A possível construção do aeroporto regional no município faz parte do Programa Nacional de Aviação Civil do governo federal. Nova Friburgo foi uma das sete cidades escolhidas para receber o aeroporto.

Segundo o prefeito Rogério Cabral, que acompanhou o trabalho dos especialistas em aviação, o aval técnico é apenas uma das etapas que deverão ser cumpridas para viabilizar o projeto. Segundo ele, o próximo passo será conseguir a liberação dos recursos ao governo federal.

O estudo de viabilidade técnica, segundo os especialistas, permite a construção de uma pista de pouso e decolagem de até 1,4 mil quilômetros, com capacidade para receber aeronaves de pequeno e médio porte. A área escolhida fica próxima à região onde estão previstos a instalação do Condomínio Industrial, Centro de Convenções e Parque de Exposições de Nova Friburgo.


|Valor Econômico

31/07/2014 às 05h00

Programa para aviação regional reaviva subsídios

A aviação civil brasileira deu um salto de qualidade e quantidade nas última década. De 2003 em diante, o crescimento médio da demanda chegou a dois dígitos, tanto nas rotas domésticas quanto internacionais e, em 2012, as companhias aéreas bateram o recorde de 100 milhões de passageiros transportados. As empresas pioneiras saíram de cena (Transbrasil, Vasp e Varig)), dando lugar a companhias com sólidas posições de mercado, embora com balanços sempre sujeitos à turbulências, especialmente do câmbio. O crescimento intenso do setor ocorreu sem subsídios, que já fizeram parte por bom tempo da história do transporte aéreo no país. Os subsídios serão agora ressuscitados para dar impulso à aviação regional, segundo Medida Provisória de 25 de julho, que cria o Programa de Desenvolvimento do setor.

A MP apenas autoriza o governo a conceder subsídios para rotas regionais, depois de listar os objetivos do programa, basicamente os de integrar comunidades isoladas e aumentar o acesso da população ao sistema de transporte aéreo. Será coberto "parte dos custos" de voos nas rotas regionais, atendendo a critérios como o aeroporto atendido, o número de passageiros transportados e os quilômetros voados. Para isso, serão utilizados recursos do Fundo Nacional da Aviação Civil.

A parte mais substantiva da MP será regulamentada por decretos, que estabelecerão condições gerais para concessão, vigência, controle e critérios de prioridade das subvenções. Todo cuidado com subsídios é pouco, e boas intenções muitas vezes serviram para criar distorções econômicas importantes e duradouras. Sempre há espaço para surpresas e elas acompanharam o anúncio dos incentivos.

Algumas rotas regionais que já são hoje exploradas com sucesso pela aviação comercial terão direito a subsídios, informa "O Globo" (29 de julho). Não é preciso ser especialista para se saber que isso não faz o menor sentido. A malha aeroviária se estendeu desde 1964, quando subsídios de Cr$ 18 bilhões chegaram a corresponder até 18% das receitas totais das empresas de então, Cruzeiro, Varig, Vasp e Transbrasil. Oito anos depois, as subvenções minguaram e desapareceram depois.

A demanda e o surgimento de polos regionais, com a expansão do agronegócio no Centro-Oeste e aumento da renda no Nordeste, induziu a expansão do transporte aéreo, tornando-se atrativas oportunidades de negócios para as companhias aéreas. Algumas companhias regionais bem sucedidas surgiram e foram engolidas pelas grandes empresas, como TAM e Gol.

O governo está certo ao apontar que falta maior capilaridade à malha comercial - um fato em um país de dimensão continental como o Brasil - e pretende que ela seja complementada de duas formas. Primeiro, investindo R$ 7,3 bilhões em 270 aeroportos regionais. Depois, ou melhor antes, assegurando a concessão de subsídios.

Não consta da MP, mas circula no governo, segundo "O Globo", que uma das intenções do programa é oferecer preços que possam competir com o das passagens de ônibus. O objetivo já determina os meios para se atingi-lo. Se o parâmetro é esse, só poderá ser atingido com subsídios. O governo de Lula cogitou algo mais sensato e mais restrito. Os incentivos seriam dados a empresas aéreas para que atendessem cidades inacessíveis por rodovias, especialmente as fronteiras e a região Norte.

Enquanto a ideia dos subsídios não passar para o papel, não se conhecerá ao certo até aonde o governo pretende chegar. A cifra cogitada, de R$ 1 bilhão, não parecer ser significativa, mas pode crescer com o tempo.

A expansão da aviação regional tem papel relevante a desempenhar na eliminação dos gargalos da infraestrutura em geral, desde que feita com racionalidade, eficiência e custos moderados. Parece faltar prioridade quando se anuncia um programa para 270 aeroportos, em que todos têm a mesma importância e carências são niveladas. Uma expansão gradual e mais modesta seria recomendável. Uma analogia com o setor elétrico dá ideia dos riscos. Assim como se construiu geradoras antes das linhas de transmissão, é possível que surjam primeiro os aeroportos e depois se parta em busca dos aviões - que só irão com subsídios.

O mercado da aviação civil se reestruturou e avançou sem distorções, como subsídios. Eles devem ser usados com muita parcimônia e, claro, não para rotas já exploradas.


Folha de Pernambuco

30/07/2014 16:37

TAM inicia voo direto entre João Pessoa e Salvador a partir de sexta-feira

Companhia aérea também aumentará oferta de voos da capital parabaina para o RJ

Do FolhaPE, com informações de assessorias

A TAM Linhas Aéreas lança, a partir de sexta-feira (1º), voos diretos entre João Pessoa e Salvador, operada de segunda a sábado. Além disso, a companhia aumentará a oferta de voos entre a capital paraibana e o Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão, com saídas diárias, que operam a partir de 13 de agosto. Esses lançamentos incrementam em 30% a oferta de voos partindo de João Pessoa.

As tarifas para o novo voo entre João Pessoa e Salvador podem ser encontradas a partir de R$ 59 para compras com antecedência de 60 dias. Já para o voo entre João Pessoa e Rio de Janeiro, o preço inicial é R$ 169 para compras com antecedência de 60 dias. A oferta de voo é tanto para o site quanto para os canais tradicionais de venda.


Estado de Minas

30/07/2014 14:29

Movimento no Aeroporto de Guaruhos cresceu 12,9%

Agência Estado

O Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos (GRU Airport) registrou um aumento de 12,9% na movimentação de passageiros no primeiro semestre deste ano. Entre janeiro e junho, 19,111 milhões de usuários embarcaram ou desembarcaram no aeroporto. Em 2013, este número foi de 16,926 milhões, no mesmo período.

Em junho, 3,095 milhões de pessoas viajaram por Guarulhos, número 8,3% superior ao mesmo mês do ano anterior, quando esse total chegou a 2,859 milhões de usuários.

Na soma dos primeiros seis meses deste ano, o GRU Airport realizou 148.221 operações de pousos e decolagens, crescimento de 9,3% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram realizadas 135.670 atividades aéreas.

Apenas no mês de junho houve um aumento de 7,8% no total de voos realizados na comparação com 2013. Foram 24.190 procedimentos realizados contra 22.437 registrados em maio de 2013.


O Tempo - MG

30/07/14 - 22h44

Acidentes aéreos reabrem feridas em famílias vitimadas no Brasil

Depois de quase oito anos, recurso no caso do voo 1907 da Gol ainda é analisado pelo STJ; caso prescreve em fevereiro de 2016

DA REDAÇÃO

Nas últimas semanas, o mundo inteiro acompanhou, o sumiço de aviões comerciais. No Brasil, essas notícias reabriram muitas feridas. Em 2006, o sumiço do Boeing da Gol do voo 1907 assombrou o país, até que, 48 horas depois, foi confirmado o acidente: o jato Legacy, pilotado pelos norte-americanos Joseph Lepore e Jan Paul Paladino, derrubaram o avião. A imprudência e imperícia dos dois causou a morte de 154 pessoas.

Próximo de completar oito anos do acidente, as famílias ainda esperam que a justiça brasileira confirme a sentença dos dois pilotos, além do aumento da pena. “Acompanhamos o trabalho do Ministério Público junto às instâncias judiciais e esperamos que a condenação seja confirmada para que eles possam responder pelos seus atos”, comenta Rosane Gutjahr, diretora da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Voo 1907.

Atualização do caso

Em maio de 2014, a Subprocuradora-Geral da República, Lindôra Maria Araujo, pediu ao Superior Tribunal de Justiça a prisão preventiva para fins de extradição dos pilotos norte-americanos Joseph Lepore e Jan Paul Paladino, que respondem a processo criminal no Brasil.

Desde dezembro de 2006 os dois acusados estão em liberdade, vivendo nos Estados Unidos e mesmo tendo se comprometido a retornar ao Brasil e comparecer a todos os atos processuais, eles vêm se recursando a sujeitar-se à jurisdição do Brasil.

O advogado Eduardo Saldanha, Doutor em Direito Internacional, está representando a Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Voo 1907 em diversas medidas internacionais. “Entendemos que o pedido de prisão preventiva visando a extradição dos réus é fundamental para garantirmos que eles venham a cumprir a pena estabelecida pela Justiça brasileira, e que temos meios legais, a partir dos Tratados Internacionais, para que eles sejam extraditados”, comenta.

Além do pedido de prisão preventiva para fins de extradição, em análise no STJ, as famílias também aguardam o julgamos dos recursos sobre a revisão de pena feitos ao tribunal.

Para as famílias a espera é longa e angustiante. “Em setembro completa-se oito anos do acidente e, até hoje, não conseguimos concluir o processo criminal. Esperamos que, no STJ, tenhamos mais sucesso e que essa etapa seja logo resolvida para que o processo possa ter a continuidade e consigamos ter a punição para os responsáveis, sabendo que o prazo de prescrição é fevereiro de 2016, nos causa muita angústia toda essa espera”, comenta a viúva, Rosane. “Não esperamos mais palavras de conforto, só esperamos que a justiça seja feita e vamos continuar lutando por ela”, finaliza.


Diário do Comércio - MG

31/07/2014

Aeroportos de Minas terão R$ 815 milhões

Trinta e três terminais do Estado receberão mais de 10% dos recursos do governo federal

Mara Bianchetti

Aeroporto de Uberlândia seria licitado em junho, mas isso ainda não aconteceu

/Mara Bianchetti

Dos 33 aeroportos mineiros que receberão investimentos da União como forma de incentivar a aviação regional, por meio do Programa de Investimento em Logística: Aeroportos, lançado em 2012, dez se encontram em fase de estudo preliminar e 23 ainda estão em fase de estudo de viabilidade técnica. Em maio, o governo federal havia informado que os terminais de Montes Claros (Norte de Minas), Uberaba e Uberlândia (Triângulo), juntamente com outros 26 administrados pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), seriam licitados em junho, o que não ocorreu.

Ao todo, 270 aeroportos regionais serão beneficiados, mediante aportes de R$ 7,3 bilhões provenientes da União. Minas é o Estado com maior número de aeroportos regionais a receber recursos do programa. Ao todo, serão 33 terminais mineiros beneficiados, com investimentos de aproximadamente R$ 815 milhões.

De acordo com informações da Secretaria de Aviação Civil (SAC), os aeroportos de Araxá, Barbacena, Caxambu, Divinópolis, Goianá, Ituiutaba, Jaíba, Patos de Minas, Poços de Caldas e Santana do Paraíso são os terminais em Minas Gerais em estágio mais avançado, uma vez que se encontram na etapa em que se definem os aspectos gerais da obra. O restante ainda está na fase que avalia questões ambientais e legais das futuras intervenções.

Desde o lançamento do programa, em 2012, foi feita a contratação do Banco do Brasil para atuar, em nome da SAC, como agente executor dos projetos. Também foram publicados os editais de contratação das empresas projetistas, de levantamento topográfico e de licenciamento ambiental. Em maio, a instituição financeira assinou com o Consórcio Concremat-Themag o contrato para a realização de estudos preliminares dos aeroportos.

País - Além desses aeroportos, outros 241 administrados por estados ou municípios brasileiros também serão beneficiados pelo programa. A ideia é ampliar a rede aeroportuária do país e garantir que a população esteja a menos de cem quilômetros de algum terminal.

Também dentro do Programa de Investimento em Logística: Aeroportos, o governo vai isentar os aeroportos regionais de todas as tarifas aeroportuárias e subsidiar as passagens aéreas para rotas originadas ou destinadas a esses terminais sempre que for necessário para garantir a regularidade dos voos. No início desta semana a presidente Dilma Rousseff editou a medida provisória (MP) que institui o subsídio.

O benefício, que será regulamentado por decreto ainda neste ano, estabelecerá isenção de tarifas aeroportuárias para voos que saiam de ou cheguem a aeroportos com até 1 milhão de passageiros por ano. Também será determinada a subvenção de passagens aéreas em voos com origem ou destino em aeroportos regionais. Neste caso, o subsídio será limitado a 60 assentos por voo ou 50% dos assentos ofertados. Até agora, 109 aeroportos que operam voos regulares são elegíveis para a subvenção, número que deverá aumentar a partir do ano que vem.


A Tarde - BA

Qui, 31/07/2014 às 09:14

Lucro da Bombardier cai para US$ 155 mi no 2º trimestre

Danielle Chaves

ESTADÃO conteúdo

O lucro líquido da canadense Bombardier caiu para US$ 155 milhões (US$ 0,08 por ação) no segundo trimestre deste ano, de US$ 180 milhões (US$ 0,10 por ação) no mesmo período do ano passado. Em termos ajustados, porém, o lucro subiu para US$ 192 milhões (US$ 0,10 por ação), de US$ 158 milhões (US$ 0,09) um ano antes.

Também na comparação anual, a receita da companhia cresceu 8,9%, excluindo o impacto do câmbio, para US$ 4,9 bilhões, de US$ 4,4 bilhões. O EBIT totalizou US$ 257 milhões, ou 5,3% da receita, abaixo de US$ 288 milhões, ou 6,5% da receita, no segundo trimestre de 2013.

A Bombardier informou também que a carteira total de pedidos atingiu US$ 75,7 bilhões no fim de junho, acima de US$ 69,7 bilhões no fim de dezembro do ano passado.

"Os resultados gerais do segundo trimestre vieram em linha com nossas expectativas. As divisões do grupo tiveram aumento na receita e um alto nível de atividade para seus produtos", declarou Pierre Beaudoin, presidente e executivo-chefe da companhia, em comunicado.


Em Tempo - AM

jul 31, 2014 Economia

Brasil tem novo piso de qualidade em serviços de aviação

O recorde de movimentação foi registrado no dia 14 de julho,

um dia após a partida final da Copa, quando 560 mil pessoas

passaram pelos aeroportos. O aeroporto de Guarulhos, em

São Paulo - foto: divulgação

O recorde de movimentação foi registrado no dia 14 de julho, um dia após a partida final da Copa, quando 560 mil pessoas passaram pelos aeroportos. O aeroporto de Guarulhos, em São Paulo – foto: divulgação

O bom desempenho dos aeroportos brasileiros durante a Copa do Mundo deve servir como padrão para funcionamento dos terminais daqui para a frente, segundo o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco. No seu entender, o Brasil tem agora um novo piso para os serviços de aviação no país.

“Os números mostram que é possível prestar um serviço excelente ao passageiro, e agora vamos nos esforçar para manter essa qualidade. A Secretaria de Aviação Civil vai cobrar para que tenhamos permanentemente esses patamares atendidos, e até superá-los”, disse o ministro.

Durante o período da Copa do Mundo, 17,8 milhões de passageiros circularam pelos aeroportos do país, um número quatro vezes maior do que o registrado na Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. O índice médio de atraso acima de 30 minutos foi 6,9%, abaixo do padrão europeu, que é 7,6%, e bem menor que o padrão internacional, de 15%.

O recorde de movimentação foi registrado no dia 14 de julho, um dia após a partida final da Copa, quando 560 mil pessoas passaram pelos aeroportos. O aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, registrou o maior número de passageiros durante o Mundial, com 4 milhões de pessoas entre os dias 10 de junho a 15 de julho. Durante a Copa, houve aumentos de 209% no número de funcionários nos órgãos públicos envolvidos e de 123% no número de vagas para aviões nos pátios dos aeroportos.

Para Moreira Franco, o desempenho dos aeroportos privatizados foi semelhante ao dos administrados pela Infraero. Segundo ele, todos prestaram serviços adequados, e o sistema funcionou como um todo. “Isso não significa que o país não precise da participação do capital privado para melhorar e ampliar cada vez mais a infraestrutura aeroportuária”, disse ele.

O ministro contou que os representantes do setor aeroportuário sofriam bullying antes da Copa, com o descrédito da população no funcionamento dos aeroportos durante o evento. “Ninguém acreditava quando eu dizia que os aeroportos estavam preparados; era quase apedrejado. As pessoas ficavam fazendo frases de gozação, dizendo que ‘se está assim hoje, imagina na Copa’. Mas o que os brasileiros e visitantes viram foi uma capacidade exemplar”, disse Moreira Franco.

Com informações da Agência Brasil

 


Tribuna Hoje - AL

30 Jul de 2014 - 10:37

Aviação: Brasil já tem capacidade para 70 milhões de passageiros por ano

Balanço da Secretaria de Aviação Civil será divulgado na tarde desta quarta-feira (30)

ECONOMIA

Ministro Moreira Franco (Aviação Civil) fará apresentação da pasta

nesta quarta-feira Paulo Pinto/2.nov.2012/Fotos Públicas

A capacidade aeroportuária do País apresentou forte consolidação, culminando com a Copa do Mundo, segundo dados apresentados pela Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. Desde sua criação, em 2011, já foram investidos R$ 11,3 bilhões em ações estratégicas do setor da aviação civil e da infraestrutura aeroportuária e aeronáutica no Brasil.

No período, a capacidade do setor também foi ampliada, passando a comportar 70 milhões de passageiros ao ano. Isso se deve, em partes, graças à ampliação em 270 novas vagas de estacionamento para aeronaves.

Para comportar essa nova capacidade, foram criados 1,4 milhão de m² de áreas em novos pátios para manobras e acomodação de aviões. Junto a isso, foram criadas 65 novas pontes de embarque em todo o Brasil, 16 apenas no aeroporto de Brasília.

Na tarde desta quarta-feira (30), o ministro-chefe da Aviação Civil, Moreira Franco, irá conceder entrevista com o balanço das atividades da pasta, em Brasília.

Balanço da secretaria

— R$ 11,3 bilhões investidos de 2011 a 2014;

— Ampliação em 1,4 milhão de m² de novos pátios;

— 270 novas vagas para estacionamento de aeronaves;

— Novo terminal de Guarulhos, com 192mil m²;

— 65 novas pontes de embarque;

— Mais 16 pontes de embarque no aeroporto de Brasília;

— Capacidade aumentada em 70 milhões de passageiros por ano;

— 11 mil novas vagas de estacionamento de carros.

Balanço da Copa

— 17,8 milhões de passageiros entre 10 de junho e 15 de julho;

— 263 mil movimentos de aeronaves;

— Apenas 6,94% dos voos com atraso superior a 30 minutos (na Europa, em 2013, esse número foi de 7,6%. O padrão internacional é de 15%);

— O tempo médio para a recepção das delegações estrangeiras de futebol foi de 31 minutos;

— A inspeção dos passageiros no raio-X durou, em média, 2min13s;

— Restituição de bagagem doméstica com duração média de 8min36s;

— Check-in doméstico com duração média de 10min40s;

— Duração média da emigração de 5min7s;

— 365 pessoas passaram pelas 12 Fun Zones das cidades-sede.


Jornal de Turismo

Quarta, 30 Julho 2014 16:20

TAM aumenta oferta de voos diretos entre RJ e JPA

A TAM Linhas Aéreas acaba de lançar nova frequência entre Rio de Janeiro/Galeão e João Pessoa. O voo direto será operado diariamente, a partir de 13 de agosto. Com a expansão da oferta, a companhia oferecerá dois voos diários entre essas capitais, proporcionando aos clientes mais alternativas de conexão para outras capitais brasileiras.

A nova frequência foi criada para atender às necessidades dos clientes e aprimorar a operação entre diversas cidades do país. “A TAM está sempre atenta às necessidades dos clientes para iniciar ou ampliar operações. Novos voos são constantemente avaliados conforme a demanda de cada cidade ou região. A ampliação da frequência vai beneficiar nossos clientes, que terão ótimas opções de horários”, afirma Federico Helman, diretor de Planejamento de Malha e Frota da TAM.

Além disso, a nova frequência possui excelentes horários de partida tanto saindo de João Pessoa quanto do Rio de Janeiro, proporcionado mais opções aos clientes coorporativos.

Os clientes da TAM já podem adquirir passagens para o novo voo a partir de R$ 169 para compras com antecedência 60 dias, partindo do Rio de Janeiro/Galeão. As tarifas já estão disponíveis pelo site da companhia www.tam.com.br e em outros canais de venda, como agências de viagens e lojas da TAM e TAM Viagens.


Mercado&Eventos

30/07 - 15:29

Companhias Aéreas buscam melhorar o bem estar das crianças

Companhias aéreas mostram a cada dia uma maior preocupação com o bem estar de seus clientes incluindo também as crianças. Essa semana a empresa Virgin Atlantics apresentou um projeto para a implementação de uma classe somente para os pequenos.

A "classe infantil", inovação proposta por Richard Branson, fundador da companhia, prevê uma cabine separada para as crianças com diversão, babás e comissários de bordo especializados. Benson afirma, porém, que tiveram problemas com a Autoridade de Aviação Civil, "em caso de emergência as crianças correriam em uma direção e os pais correriam para a outra". O projeto ainda espera por aprovação e portanto ainda não estão disponíveis passagens aéreas para este segmento.

Outras companhias também demonstram sua preocupação com o bem estar das crianças, como é o caso da British Airways. A empresa realizou recentemente uma pesquisa onde verificou que o que melhor distrai as crianças não são aparelhos eletrônicos, como tablets, e sim jogos e brinquedos mais tradicionais como peças para montar e fantoches.

Outras empresas, tais como a Air France, Emirates e Tam, disponibilizam aos seus pequenos viajantes menus especiais, berços e jogos. A Emirates oferece, além desses serviços, uma linha especial de produtos infantis, com lousa mágica e personagens diferentes. Já na Tam, a criança pode se inscrever e ser “Comandante Kid” no site da companhia.

Informe Publicitário

 


Mercado&Eventos

30/07 - 12:25

Air France passa a operar no novo Terminal 3 do GRU Airport no dia 2

A partir de 2 de agosto, o grupo Air France-KLM passa a operar seus voos de e para São Paulo no Terminal 3 do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos. O novo Terminal de passageiros, o TPS3, entrou em operação em maio, com capacidade inicial para receber 12 milhões de pessoas por ano, na primeira fase. Voltado para voos internacionais, ele tem uma área de 192 mil m² e conta com tecnologias e equipamentos comparáveis aos dos melhores aeroportos do mundo. Os dois pátios que atendem o novo Terminal têm capacidade para 34 aeronaves.

Os passageiros da Air France e da KLM viajando nas classes La Première, Business e associados Elite do programa de fidelidade Flying Blue (Club 2000, Platinum e Gold), serão recepcionados nas salas VIP Business e First Class, localizadas no mezanino do novo Terminal e administradas pela GRU Airport.


Panrotas

30/7/2014 19:16:00

Gol faz primeiro voo internacional com biocombustível

Nesta quarta-feira (30), a Gol realizou o primeiro voo internacional com biocombustível, partindo de Orlando, com destino a Santo Domingo e São Paulo. O voo foi em um Boeing 737-800 NG, abastecido com combustível renovável, derivado da cana-de-açúcar. O abastecimento do voo G3 7725 foi composto por uma mistura com 10% do combustível renovável a partir da cana-de-açúcar, produzido pela Amyris em Brotas, interior de São Paulo, e 90% de combustível fóssil.

“Este ano a Gol consolidou importantes projetos relacionados ao seu compromisso com a sustentabilidade do setor. Operamos o primeiro voo do Aeroporto Tancredo Neves, em Confins (MG) abastecido com biocombustível, concluímos 200 voos verdes iniciados na Copa do Mundo e agora somos a primeira aérea brasileira a realizar um voo internacional com combustível renovável e, além disso, derivado da cana-de-açúcar brasileira”, destaca o diretor Técnico Operacional da Gol, Pedro Scorza. Ao longo de 2013, com medidas para redução de consumo de combustível, a Gol deixou de emitir mais de 12 mil toneladas de carbono. A meta é ter 1% de combustível renovável na frota da Gol até 2016.

Caroline Cabral

 


Panrotas

31/7/2014 09:52:00

Aeroportos do interior de São Paulo receberão melhorias

Os aeroportos de Araçatuba, Araraquara, Bauru, Franca, Marília, Presidente Prudente, Sorocaba e Barretos, todos no interior de São Paulo, vão começar a receber melhorias. Os aeródromos foram contemplados no "Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos" e passaram pelas fases de elaboração de cenários por projetistas, análise de estudos técnicos e agora partem para a fase de licitação das obras.

Hoje, o ministro-chefe da Aviação Civil, Moreira Franco, se reúne na capital paulista com os prefeitos desses municípios para anunciar as melhorias.

O Programa prevê investimentos de R$ 7,3 bilhões em 270 aeroportos regionais em todo o país e R$ 360,5 milhões para a ampliação da aviação regional em São Paulo, com a reforma de 19 terminais aéreos. O gestor do Programa é o Banco do Brasil.

Diego Verticchio

 


Panrotas

30/7/2014 16:12:00

Voos da América Latina para Brasil crescem 20% na Copa

De acordo com levantamento realizado pela Embratur, o número de voos estrangeiros para o Brasil aumentou 14% em junho e julho, meses em que foi realizada a Copa do Mundo Fifa 2014, na comparação com mesmo período do ano passado. Por região, o maior crescimento foi nos voos com origem na América Latina, com alta de 20% - passaram de 1.226 para 1.472 voos no período.

Entre as cidades, Santiago do Chile foi a que registrou o maior crescimento, de 92,8%. Passou de 125 para 241 voos na comparação de junho/julho de 2014 com os mesmos meses de 2013. O número de voos de Buenos Aires passou de 488 para 521 no mesmo período, uma alta de 6,76%. Entre os 166 mil argentinos que vieram ver jogos de sua seleção no Brasil, parte importante entrou no Brasil por via terrestre.

Os dados mostram ainda que cresceu o número de voos para o Brasil saindo de Lima, que passou de 82 para 112, com alta de 36%; da Cidade do México, subiu de 16 para 28, com crescimento de 75%; e Montevideo, de 26%, de 100 para 126 voos no período. Também houve seis voos diretos de Quito (Equador) em junho e julho deste ano - em 2013 não foram registrados voos diretos dessa cidade para o Brasil. Embora o País tenha recebido 49 mil visitantes da Colômbia, o total de voos com saída de Bogotá teve uma queda de 7,8%, de 64 para 59 no período.

No período da Copa do Mundo, o número total de voos estrangeiros para o Brasil cresceu 14%. Passou de 2.368 nos meses de junho e julho, em 2013, para 2.698 no mesmo período deste ano. Os voos com origem em países da América do Norte subiram 4,1%, de 487 para 507. Mas algumas cidades tiveram, percentualmente, um aumento maior: 300% para os procedentes de Los Angeles (subiram de 6 para 24); 20,46% dos que partiram de Miami (210 para 253); de 7,29% em Nova Iorque (de 96 para 103); e de 33% em Atlanta (42 para 56).

Diego Verticchio

 


Panrotas

30/7/2014 11:16:00

Aeroviários da Air France marcam greve para sábado (2)

Sindicatos de aeroviários da Air France anunciaram paralisação para o próximo sábado (2), no final de semana em que se encerram as férias de verão. Segundo o Presstur, parceiro da PANROTAS em Portugal, a greve afetará os dois maiores aeroportos franceses – Charles de Gaulle e Orly – além de aeroportos regionais.

O motivo da paralisação seriam más condições de trabalho decorrentes de reduções de funcionários ocorridas recentemente. A Air France alerta que o movimento poderá provocar atrasos nos voos.

Alex Souza

 


Panrotas

30/7/2014 10:44:00

RN luta para reduzir alíquota de combustível da aviação

A necessidade da redução da alíquota do ICMS no querosene da aviação (QAV) continua em pauta em Natal. Segundo empresários do setor de Turismo, é a única saída, no momento, para atrair mais voos e melhorar a malha aérea para a capital potiguar, uma das mais prejudicadas em todo o Brasil nos últimos dois anos.

Roberto de Oliveira, diretor comercial para Novos Negócios Aéreos da Inframérica, empresa que administra o Aeroporto Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal, esteve ontem (29) na capital potiguar, onde abordou os vários entraves para a expansão da aviação no Rio Grande do Norte.

“Não é fácil lançar novas rotas. Todos precisam fazer sua parte, inclusive e principalmente o governo do Estado. E também é preciso paciência. Para trazer um voo internacional é preciso no mínimo dois anos de trabalho. De muito trabalho. Mas um fato é concreto: aeroporto apto nós já temos”, ressaltou Oliveira.

Os empresários potiguares, principalmente do segmento da hotelaria, têm como principal referência o aeroporto de Brasília, também administrado pela Inframérica. A alíquota do ICMS no combustível de aviação no Distrito Federal foi reduzida de 25% para 12%, fato que - segundo se comenta - incrementou o número de pousos e decolagens no Aeroporto Juscelino Kubitschek.

"Contribuiu, claro. Porém não de forma isolada. Houve muito investimento no terminal. Criamos mais espaço, mais conforto. Trabalhamos para Brasília virar realmente um hub", alertou o diretor da Inframérica.

Ainda segundo Oliveira, Brasília ganhou 206 novos voos e duas novas companhias aéreas passaram a operar no terminal. Foram 36 novos voos internacionais. O consumo de QAV no Aeroporto JK teve crescimento de 28,1%, a partir da menos tributação. Passou de 95 mil metros cúbicos no primeiro trimestre de 2013 para 122 mil metros cúbicos no mesmo período deste ano.

Já a arrecadação de ICMS sobre o QAV no Distrito Federal não foi afetada após o benefício tributário. No primeiro trimestre de 2012, quando a alíquota era de 25%, o total arrecadado foi de R$ 56,7 milhões. No mesmo período deste ano, com a redução para 12%, o montante ficou em R$ 56,2 milhões. Os dados são da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear).

Antonio Roberto Rocha

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS